Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Novos protestos abalam Burundi

  • 333

Polícia detém dois manifestantes que participavam nos protestos de domingo

Novo dia de manifestações no país, depois de cinco pessoas terem morrido no domingo, segundo relatos de ativistas. Estes pedem a saída do Presidente Pierre Nkurunziza, que violou a Constituição ao candidatar-se a um novo mandato. 

Cátia Bruno

Cátia Bruno

Jornalista

Registaram-se novos protestos nas ruas do Burundi na manhã desta segunda-feira, depois de confrontos entre manifestantes e polícia no domingo terem causado cinco mortos, de acordo com informações de ativistas no país. "A luta continua", gritavam os manifestantes no bairro de Musaga, na capital Bujumbura, segundo relatou uma testemunha à agência Reuters, que garantiu estarem cerca de 200 pessoas no local. 

A Reuters também avança que o exército já está nas ruas - uma medida que servirá para acalmar os ânimos, já que este é visto como uma força neutra, ao contrário da polícia, mais próxima do partido atualmente no poder, o Conselho Nacional para a Defesa da Democracia-Forças pela Defesa da Democracia (CNDD-FDD). "O exército está consciente de que vamos organizar manifestações, mas avisou-nos de que estas devem ser pacíficas", declarou o ativista Pierre Claver Mbonimpa à Reuters. 

Mbonimpa garante que cinco pessoas morreram no domingo, três delas durante os protestos e duas às mãos da Imbonerakure, a juventude partidária do CNDD-FDD. Segundo a Agência para os Refugiados das Nações Unidas, têm-se registado episódios de violência levados a cabo pelo Imbonerakure. 

Os manifestantes pedem o afastamento do Presidente Pierre Nkurunziza, que anunciou ser candidato às eleições de 26 de junho, concorrendo assim a um terceiro mandato - o que não é permitido pela Constituição do país, que prevê apenas dois mandatos consecutivos.  

Nkurunziza defende-se dizendo que o seu primeiro mandato ocorreu depois de ter sido escolhido pelo parlamento e não eleito por sufrágio. A decisão de se recandidatar já foi criticada pelo Departamento de Estado norte-americano. 

O Burundi é um pequeno país africano que faz fronteira com o Ruanda, a República Democrática do Congo e a Tanzânia e que regista um dos Índices de Desenvolvimento Humano mais baixos do mundo. A proximidade com outros países já fez com que entre 10 a 20 mil pessoas tenham fugido para o Ruanda, segundo as autoridades do país. A maioria teme um aumento da repressão e da violência no período que antecede o ato eleitoral de 26 de junho.