Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Morreram os seis talibãs que mataram pelo menos 141 pessoas em escola militar

Grupo Tehreek-e-Taliban Pakistan, que pertence ao movimento talibã no Paquistão, assumiu a responsabilidade do ataque.

Morreram os seis elementos que levaram a cabo esta terça-feira um ataque a uma escola militar em Peshawar, no Paquistão, garantiu fonte oficial da polícia. 

Segundo a mesma fonte, foi dado como terminado o ataque, e a respetiva operação de resgate, que causou pelo menos 141 mortos - 132 crianças e nove funcionários - e centenas de feridos, de acordo com o último balanço oficial.

O grupo Tehreek-e-Taliban Pakistan, que pertence ao movimento talibã no Paquistão, assumiu a responsabilidade do ataque, alegando que pretendia servir de retaliação pela morte de membros dos talibãs nas mãos das autoridades paquistanesas.  "Nós atacamos uma escola porque o Exército ataca os nossos familiares. Queremos que eles sintam a nossa dor", disse um talibã paquistanês.

Entretanto, o chefe do governo paquistanês Nawaz Sharif convocou uma reunião de emergência para discutir com os partidos a resposta ao ataque, avança o jornal "The Express Tribune".

O Executivo condenou o "ataque bárbaro", garantindo estar empenhado em combater o terrorismo no país: "Não vamos descansar enquanto o terrorismo não for completamente eliminado", disse o ministro da Informação Pervaiz Rash.

Também primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, já manifestou as suas condolências ao Paquistão. "O meu coração está com todos aqueles que perderam hoje pessoas amadas. Nós partilhamos a vossa dor e apresentamos as mais profundas condolências", declarou.