Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Mediterrâneo. A noite cai e a operação de resgate continua

A operação de resgate ao ferry Norman Atlantic tem continuado durante a noite

Reuters

A situação está "sob controlo", garantem as autoridades. Mas a noite será longa. Pelo menos 190 das 478 pessoas que estavam a bordo do ferry de bandeira italiana foram resgatadas. Autoridades referem a morte de um homem grego e de pelo menos quatro feridos. 

Helicópteros gregos e italianos circulam acima do Mediterrâneo, ao largo da costa grega, tentando salvar as pessoas que ainda estão presas no ferry Norman Atlantic, à deriva no mar Adriático, no Mediterrâneo. E  duas avionetas e uma dezena de barcos participam também nessa operação de resgate ao ferry italiano que este domingo se incendiou.

Foi um dia intenso, ao largo da costa da Grécia. Segundo as autoridades, o incidente já provocou a morte a um homem grego e fez pelo menos quatro feridos entre os 478 passageiros e tripulantes. Mas as operações de resgate continuam noite dentro e, até à hora desta publicação, 190 pessoas já foram salvas, segundo informações da Marinha italiana.

"Esta é uma operação de resgate difícil... A visibilidade é pouca e as condições atmosféricas são complicadas, mas estamos confiantes porque existem vários barcos na área do acidente", afirmou o ministro da Marinha Mercante, Miltiadis Varvitsiotis, citado pela BBC.

Ao final do dia de domingo o operador do Norman Atlantic garantiu que o incêndio estava "sob controlo". Também a Guarda Costeira italiana afirmou que o incêndio foi "domado" e que o ferry está a ser estabilizado com o intuito de facilitar as operações de regaste. No entanto, o vento continua muito forte - já atingiu hoje 100 quilómetros por hora - e o mar instável.

Ferry deverá ser levado para porto vizinho

As autoridades estão ainda a tentar estabilizar o Norman Atlantic, com o objetivo de o rebocar até a um porto vizinho - na Grécia ou Albânia, mas o seu destino ainda está por determinar. Já se encontram no local vários reboques, que levarão o ferry italiano quando os cabos estiverem presos ao Norman Atlantic com segurança.

Já antes o navio começara a ser rebocado, mas a operação foi interrompida na sequência da quebra da corda de reboque. As autoridades afirmaram, assim, que só irão rebocar o ferry quando as cordas estiverem presas com segurança.

"Esta será uma noite difícil e espero que tudo corra bem", afirmou este domingo Miltiadis Varvitsiotis. "E espero que consigamos resgatar todos os passageiros e tripulantes".

A bordo do Norman Atlantic iam, na sua maioria, gregos. De entre os passageiros existiam também italianos, turcos, alemães e pessoas de outros países, de acordo com fontes oficiais.  Várias pessoas já resgatadas afirmaram, citadas pela Reuters, que existem crianças e idosos a bordo do ferry.

Ainda são desconhecidos os motivos do incêndio no Norman Atlantic, mas a sua origem já é do conhecimento público: as chamas terão deflagrado numa zona do ferry reservada a veículos, na qual se encontravam 195 automóveis.