Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Marisa Matias fala sobre a "chantagem" à Grécia. Draghi respondeu com elogio a Portugal

  • 333

EMMANUEL DUNAND/AFP/Getty Images

Eurodeputada do BE acusou o BCE de "chantagear" a Grécia e questionou Draghi sobre o seu conceito de estabilidade financeira. O presidente do BCE respondeu com o exemplo de Portugal, "um país que se está a tornar testemunha da recuperação da zona euro".

Susana Frexes, correspondente em Bruxelas, com Raquel Pinto

Mario Draghi foi esta segunda-feira ao Parlamento Europeu responder às questões dos deputados no comité dos Assuntos Económicos e Monetários. A Grécia dominou o debate, com o líder do Banco Central Europeu (BCE) a dar Portugal como exemplo de recuperação económica depois de ser interpelado pela eurodeputada do Bloco de Esquerda, Marisa Matias, a propósito do que entendia sobre estabilidade financeira.

"Portugal atingiu um patamar onde pode tirar proveito dos lucros das políticas levadas a cabo nos últimos anos. Reconstruiu a estabilidade financeira, conseguiu aceder aos mercados, pode financiar-se sozinho e o emprego já está a descer. E rapidamente! É um país que se está a tornar testemunha da recuperação da zona euro", defendeu Mario Draghi.   

Marisa Matias não ficou satisfeita com a resposta do presidente do BCE, sustentando que emigração de 300 mil pessoas está na base da descida do desemprego. Draghi, por sua vez, admitiu que Portugal "ainda tem pela frente importantes desafios". A eurodeputada bloquista defendia ao Expresso, já à margem da sessão, que o argumento apresentado "é um contraponto falso". Na sua opinião, "as fragilidades da economia portuguesa são as mesmas da Grécia:  desigualdades, falta de crescimento, balança comercial desequilibrada, quebra no investimento."  E se a Grécia sair do euro "é o princípio do fim da união europeia" e Portugal é o país que fica "mais fragilizado".

Durante a sessão parlamentar, Marisa Matias teceu duras críticas ao BCE, acusando-o de "chantagear" a Grécia. "Deixe-me discordar de praticamente tudo o que disse", realçou Draghi, apontando para os 104 mil milhões que o BCE tem expostos à dívida grega, o equivalente a 65% do PIB da Grécia. "Esta é a maior exposição na zona euro. Que tipo de chantagem é esta? Julgue você mesma", perguntou-lhe.

No plenário, a eurodeputada já não pôde retorquir, mas ao Expresso disse que "essa exposição só foi contraída pelo BCE para salvar a banca comercial alemã e a francesa". Marisa Matias frisou ainda que a chantagem está no facto de a Grécia ter ficado de fora do programa de Quantitative Easing (QE), o programa de compra de dívida pública e privada pelo BCE.

Segundo Draghi, não foi criada nenhuma regra específica para a Grécia. O país ficou fora do QE por estar sujeito a um programa de resgate. O presidente do BCE admitiu, no entanto, que no futuro poderá vir a comprar dívida grega, mas antes o país terá de "satisfazer várias condições e ainda não estamos aí".

BCE estuda cenário Grexit

Mario Draghi mostra-se "otimista" e diz que a saída da Grécia do euro não está em cima da mesa. Ao mesmo tempo, quando questionado se o "Grexit" estava a ser estudado admitiu que cabe ao BCE estudar os vários cenários e que essa é uma prática normal. "O BCE emprega gestores de risco para gerir risco e eles, constantemente, analisam uma série de cenários", explicou.



Para Draghi, a Grécia e os parceiros europeus têm de "estabelecer as condições para uma conclusão com sucesso" do programa de assistência e que o governo de Alexis Tsipras deve honrar os "compromissos para com todos os credores" e ter isso em conta nas políticas futuras.