Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Londres. Edifícios evacuados e trânsito cortado devido a bomba da Segunda Guerra

  • 333

Pode uma bomba da Segunda Guerra Mundial voltar a assustar 70 anos depois? Pode. Assim foi esta segunda-feira de manhã numa das principais artérias de Londres. E no ano passado, por diversas vezes, na Alemanha.

#Bermondsey unexploded bomb: Likely to be a while until it's resolved © @matthewbarksby http://t.co/Vvw7l37UCc pic.twitter.com/EQ8m5jpJZb

— London Fire Brigade (@LondonFire) 23 março 2015

A descoberta de uma bomba da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) no centro de Londres, nas proximidades da iconográfica ponte sobre o Tamisa, Tower Bridge, obrigou a polícia a retirar do local dezenas de pessoas e a interditar o trânsito nas ruas mais próximas. O engenho encontrado num edifício em construção permanece ativo. 70 anos depois.

Para o local, Bermondsey Spa, a sul da capital britânica, seguiu a brigada de minas e armadilhas. A polícia não perdeu tempo e fixou o habitual perímetro de segurança.

Junto à escola Harris Academy, já evacuada, foi instalado um comando de operações avançado com bombeiros e socorristas.

"Mandaram-nos sair. Ficámos assustados", disse ao "Mirror" Cucker Akkil, 37 anos, empregado de um café a menos de 200 metros do local. "A polícia disse-me que era uma bomba de 500 quilos", acrescentou.

A região sul de Londres esteve sob intenso bombardeamento da Força Aérea Alemã no início da década de 40 do século XX.

Casos semelhantes

A 19 de agosto do ano passado, duas bombas foram encontradas na Alemanha. Uma durante a construção da autoestrada que liga Frankfurt a Wurzburg e outra nos arredores da capital, Berlim.

A primeira, também com 500 quilos mas de fabrico britânico, foi encontrada a 1,5 metros de profundidade e obrigou ao encerramento de uma pista do Aeroporto de Frankfurt e à interdição de sobrevoo abaixo dos mil metros de altitude. A segunda, com 100 quilos, foi descoberta junto a uma estação de comboios em Neuenhagen bei Berlin, obrigando à evacuação de mais de mil pessoas.

Nada comparado com 16.500 habitantes de Dortmund e os 8500 de Mainz que a 30 de novembro último tiveram de deixar as suas casas num dia de domingo para que pudessem ser desativadas mais duas bombas lançadas durante a Segunda Guerra Mundial.