Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Itália prossegue buscas por migrantes vítimas de naufrágio

  • 333

A guarda costeira italiana salvou até ao momento 150 pessoas

FRANCESCO ARENA/EPA

ONG Human Rights Watch acusa União Europeia de demonstrar uma "intolerável passividade" face à mais recente tragédia no Mediterrâneo, com um barco em que seguiam cerca de 550 pessoas.

A guarda costeira italiana prossegue esta quarta-feira as buscas pelos migrantes desaparecidos num naufrágio de um barco com cerca de 550 pessoas a bordo. A embarcação, que partiu da Líbia, virou-se na segunda-feira no Mediterrâneo, próximo da Sicília.



Segundo as autoridades, foram resgatadas até ao momento 150 sobreviventes e nove cadáveres, continuando todos os outros desaparecidos, o que levou a ONG Human Rights Watch (HRW) a acusar a União Europeia de uma "intolerável passividade" face à tragédia.

"Poderá ter sido uma das maiores tragédias com imigrantes e deveria obrigar a União Europeia a levar a cabo uma vasta operação de busca e resgate", afirmou Judith Sunderland, diretora da HRW para a Europa em comunicado.



A organização "Save the Children" anunciou que entre as vítimas há "muitos jovens, provavelmente menores", apelando também para o esforço das autoridades.



"Muitos destes migrantes viveram experiências de uma violência atroz, tendo perdido pais, amigos e outros familiares, nomeadamente em naufrágios", declarou o diretor geral da organização, Valerio Neri, citado pela agência EFE.



Só entre 11 e 13 de abril, "foram resgatadas 450 crianças, das quais 31" viajavam sozinhas, refere a organização.



A Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados (ACNUR) defendeu, entretanto, que as autoridades não estão a fazer o "suficiente" para salvar vidas de imigrantes - oriundos sobretudo da Líbia - que tentam escapar dos conflitos em África e no Médio Oriente, e que morrem diariamente no Mediterrâneo, quando tentam chegar à Europa em busca de melhores condições de vida.



Desde a última sexta-feira, as autoridades italianas resgataram 8500 imigrantes em embarcações provenientes da África subsariana, que arriscaram as suas vidas para tentarem chegar a território europeu.