Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Hollande diz que é preciso dar esperança aos jovens

Presidente francês defendeu que o combate ao desemprego jovem é uma "emergência" na Europa, sublinhando que a "geração do pós-crise vai pedir contas aos governantes de hoje."

O Presidente francês François Hollande afirmou hoje em Paris que a Europa reconhece que o desemprego jovem é uma "prioridade" e que é preciso atuar já.

"É uma emergência. Há que atuar já. A geração do pós-crise vai pedir contas aos governantes de hoje", afirmou François Hollande na conferência  "Europa: As próximas etapas", uma iniciativa do Instituto Berggruen, que conta também com a presença do ministro da Economia e do Emprego português,  Álvaro Santos Pereira.

"Vão-nos lembrar que tiveram esperança, que uma vez terminados os estudos podiam ter trabalho e uma vida de êxito. Não podemos deixar esta geração sem nenhuma perspetiva", acrescentou. 

Segundo o governante francês, que é citado pelo "El País", os jovens devem reclamar os benefícios da construção europeia, sendo que a solidariedade é fundamental para evitar uma Europa mais "amarga."

Hollande defendeu ainda que a União Europeia pode aplicar um imposto sobre as transações financeiras no combate ao desemprego jovem, frisando que seis milhões de euros de fundos serão distribuídos às empresas através do Banco Europeu de Investimento (BEI).

Reformas estruturais são vitais

Já o ministro das Finanças alemão sublinhou a necessidade de "reformas estruturais" para a Europa vingar no mundo globalizado. "Necessitamos de uma Europa forte e para isso temos de reformar as estruturas para poder competir", defendeu.

A ministra alemã do Trabalho, Ursula von der Leyen, defendeu por sua vez, que é fundamental as pequenas e médias empresas (PME) terem mais liquidez para ajudarem a combater o problema.

"Hoje lançamos uma iniciativa de crescimento europeia, com o Banco de Investimento Europeu e empresas privadas, mas as PME precisam de capital. É preciso romper com este vício", disse Ursula von der Leyen, acrescentando que a "Europa necessita de recursos humanos qualificados e aprendizagem dual.

"Temos fundos e agora devemos mobilizar as empresas que oferecem formação. Queremos mobilidade", frisou.

Na União Europeia há 5,6 milhões de jovens com menos de 25 anos desempregados e segundo a Organização Internacional do Trabalho o desemprego jovem deve manter-se acima dos 17% até 2015.