Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Germanwings. Copiloto procurou tratamento para problemas de visão

  • 333

Jeff Pachoud / AFP / Getty Images

A informação é avançada pelo "The New York Times", este sábado, que afirma que as autoridades revelaram este novo detalhe sobre a investigação do desastre do Airbus A320 da Germanwings nos Alpes franceses.  

Andreas G. Lubitz, o copiloto da companhia de baixo custo da Lufthansa, a Germanwings, que esta semana ficou conhecido por alegadamente destruir o avião que copilotava, levando consigo 149 pessoas para a morte, procurou tratamento para alegados problemas de visão. A informação é avançada pelo "The New York Times", a partir de declarações obtidas junto de duas fontes ligadas à investigação. 

A notícia vem acrescentar um novo dado à investigação da tragédia nos Alpes franceses, cuja responsabilidade é atribuída ao copiloto alemão. Andreas terá bloqueado o acesso ao cockpit do Airbus A320, deixando o comandante - que se teria ausentado momentaneamente - do lado de fora e destruindo o avião contra a montanha.

As autoridades não revelaram, no entanto, se existe uma relação entre este problema de visão e as informações de que o copiloto alemão deveria estar de baixa no dia do acidente, apesar de uma fonte com conhecimento da investigação não ter descartado a hipótese de este problema de saúde ser psicossomático, revela o "The New York Times".

Recorde-se que, esta sexta-feira, vários meios de comunicação internacionais noticiaram que Andreas Lubitz estaria a ser tratado por problemas psicológicos (e que deveria estar de baixa no dia do acidente), depois de na quinta-feira as autoridades terem alegadamente encontrado documentos médicos que apontavam nesse sentido. No entanto, o Hospital de Düsseldorf negou ao Expresso ter passado qualquer atestado. Admite, no entanto, que Andreas Lubitz terá realizado vários exames médicos.

Ex-Namorada dá entrevista  

Também este sábado, a ex-namorada de Andreas Lubitz deu uma entrevista ao jornal alemão "Bild". A jovem, identificada como Maria W., hospedeira de bordo, conta que o ex-namorado tinha pesadelos e que, por vezes, o seu comportamento a assustava. "À noite, ele acordava e gritava: 'vamos cair'", terá dito a jovem em entrevista ao jornal Bild. "Ele sabia como esconder das outras pessoas o que se estava realmente a passar". 

E acrescenta que Andreas lhe disse, uma vez, que gostava de ficar para a história. "Um dia vou fazer algo que mude o sistema e aí todos saberão o meu nome e irão recordar-se dele".

A antiga namorada reforça a tese de que o copiloto alemão teria problemas psicológicos, garantindo que Andreas estaria a atravessar uma crise emocional, após o fim do relacionamento há umas semanas. Também o "Bild" revelou que o jovem de 27 anos terá tido uma depressão em 2009, continuando atualmente a ser assistido pelos médicos.