Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

França. Primeiro-ministro enfrenta revolta socialista

  • 333

Manuel Valls foi derrotado no seu próprio departamento, a Essonne, nas eleições de domingo passado

Etienne Laurent/EPA

Manuel Valls anulou uma viagem à Alemanha para tentar conter esta terça-feira o aprofundamento da fratura interna no PS francês. Críticos pedem mudanças "à esquerda" e responsabilizam o Governo pela derrota nas eleições departamentais. PM não exclui uma remodelação governamental.

Daniel Ribeiro, correspondente em Paris

Derrotado nas eleições de domingo passado no seu próprio departamento, a Essonne, o primeiro-ministro Manuel Valls enfrenta esta terça-feira os críticos do PS numa reunião de crise do grupo parlamentar. 

A revolta da ala esquerda socialista, que pede mudanças "à esquerda" na política do Governo, inquieta o chefe do executivo ao ponto de ele ter anulado uma importante viagem a Berlim, marcada para o mesmo dia.

A clara derrota dos socialistas acentuou o mal-estar no PS porque a maioria perdeu para a direita de Nicolas Sarkozy bastiões eleitorais históricos, como a Corrèze, departamento do presidente François Hollande, e outros muito simbólicos, designadamente em Marselha e na região de Lille.

Remodelação em estudo

Numa entrevista, na manhã de terça-feira, ao canal televisivo BFM-TV, Manuel Valls garantiu que nunca pensou em demitir-se depois da derrocada eleitoral nas departamentais, mas reconheceu ter responsabilidades no fraco resultado obtido pelos socialistas.

"Continuar sem mudar nada é subestimar a dimensão da derrota", disseram os críticos num comunicado assinado pela corrente contestatária "Viva a Esquerda". "Se continuarmos assim vamos contra a parede", explicou o deputado rebelde Jérôme Guedj. 

Algumas dezenas de deputados pedem designadamente mudanças na política económica e receiam uma nova catástrofe eleitoral em dezembro, nas eleições regionais, e nas presidenciais, em maio de 2017.

Manuel Valls vai pedir aos parlamentares unidade no partido e na esquerda, mas garante que não haverá mudanças de fundo na política do Governo - "estamos no bom caminho, os resultados vão chegar, temos de ser mais eficazes", disse Valls na BFM-TV.

No entanto, poderão verificar-se novas medidas favoráveis ao investimento e de apoio às pequenas e médias empresas. Por outro lado, o primeiro-ministro não excluiu, na entrevista, uma possível remodelação governamental parta os próximos dias.

A eventual remodelação, que estará a ser estudada por ele e pelo Presidente Hollande poderá significar que ecologistas e alguns socialistas críticos poderão entrar para o Governo a breve prazo.