Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Edgar Quintero foi assassinado numa padaria. Era a companhia de final da tarde dos colombianos

  • 333

Tinha 57 anos. Era jornalista e diretor do programa radiofónico "Notícias e algo mais". Homem polémico, falava sobre temas 'tabu'. No entanto, não lhe eram conhecidos inimigos. Quintín já não falará mais para os seus ouvintes.

O jornalista colombiano Edgar Quintero, conhecido como Quintín, foi assassinado esta segunda-feira, aos 57 anos. O crime aconteceu meia hora depois de acabar o programa radiofónico "Notícias e algo mais", do qual era diretor. 

Seis disparos acabaram com a vida de um jornalista com 30 anos de experiência. A causa do homicídio permanece desconhecida; estão a ser feitas investigações para descobrir quem matou Edgar Quintero numa padaria localizada no centro de Palmira, uma pequena cidade do sudoeste da Colômbia.

Não lhe eram conhecidos inimigos. E também não se sabe se Edgar Quintero tinha recebido, alguma vez, ameaças de morte. De acordo com fontes locais, citadas por vários jornais colombianos, o jornalista foi assassinado momentos após os seus colegas de trabalho terem abandonado a padaria onde se encontravam. 

Cómico, espontâneo e explosivo... era Quintin

Cómico, espontâneo e explosivo. Era desta forma que o jornalista colombiano Edgar Quintero era visto pelos seus colegas de trabalho na Rádio Luna. Como radialista, era a companhia de final de tarde de muitas famílias colombianas. A sua voz era inconfundível, assim como a sua frase "Hola amios, qué tal?", dita cada vez que dava início ao programa "Notícias e algo mais".

Os colegas de trabalho viam-no também como uma pessoa engraçada. Mas reconheciam que a voz dele não "tremia" quando tinha que falar sobre um assunto sério. Aliás, Edgar Quintero era conhecido por ser uma pessoa polémica por falar "sem tabus" sobre os assuntos que cobria. "Fazia denúncias e comentários explosivos contra a administração local no seu programa e noutros meios de Comunicação Social", afirmou um colega de trabalho do jornalista, sem querer identificar-se.

Além de radialista, foi narrador desportivo e amante do futebol colombiano. Era um grande comunicador, adorado por muitos colombianos, que já exprimiram a revolta que sentem pelo seu assassinato nas redes sociais.