Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

E vão três. Mais um Bush na fila para a presidência

As presidenciais norte-americanas de 2016 poderão ser marcadas por nova disputa Bush-Clinton. Jeb Bush, ex-governador da Florida e irmão dos ex-Presidente republicano, anunciou nas redes sociais que irá "explorar ativamente" a possibilidade de se candidatar.  

Numa mensagem publicada por ocasião Dia de Ação de Graças, Jeb Bush disse ter conversado sobre "o futuro da nação" e sobre a candidatura à Casa Branca com membros da sua família durante o feriado, afirmando que irá avançar nesse sentido.

"Na sequência destas conversas e perante a necessidade de uma liderança forte para os EUA, decidi explorar ativamente a possibilidade de me candidatar a Presidente dos Estados Unidos", disse na mensagem divulgada no Facebook e Twitter o ex-governador da Florida, filho de George H. W. Bush e irmão de George W. Bush, dois anteriores Presidentes norte-americanos conservadores.

I am excited to announce I will actively explore the possibility of running for President of the United States: https://t.co/luY4lCF2cA.

— Jeb Bush (@JebBush) 16 dezembro 2014

O anúncio surge mais de um ano antes das eleições primárias. A sua porta-voz, Kristy Campbell, indicou à Associated Press que Jeb Bush só irá decidir no próximo ano se avança mesmo para obter a nomeação para as presidenciais do Partido Republicano, após ter "avaliado os apoios" à sua candidatura. 

Hillary Clinton, a potencial rival Do lado do Partido Democrata, Hillary Clinton surge como a provável favorita nas primárias, embora ainda não tenha anunciado a intenção de concorrer.

Caso consigam as nomeações dos respetivos partidos, as eleições presidenciais de 2016 darão lugar a uma nova disputa Bush-Clinton, à imagem do que aconteceu em 1992 quando o marido de Hillary, Bill Clinton, derrotou George H. W. Bush, impedindo a sua reeleição.

Jeb, atualmente com 61 anos, poderá contar com as redes de apoio político e financeiro ligadas ao pai e ao irmão, mas também corre o risco de ser prejudicado pela impopularidade do seu irmão mais velho junto de parte do eleitorado norte-americano,

Quando George W. Bush abandonou a presidência em 2009, após dois mandatos, a sua imagem estava bastante agastada, devido à guerra no Iraque e à crise económica.