Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Documentos Snowden. Nova Zelândia espia a região do Pacífico para os Estados Unidos

  • 333

Glenn Greenwald/Laura Poitras/cortesia do The Guardian via Reuters

Documentos da NSA revelados por Edward Snowden mostram o papel da Nova Zelândia dentro do plano estabelecido pelos Estados Unidos para, conjuntamente com outros três aliados (Grã-Bretanha, Canadá e Austrália), espiarem o mundo inteiro.

A Nova Zelândia está a espiar indiscriminadamente e de forma maciça os seus vizinhos aliados, na região do Pacífico, dentro de um plano estabelecido com os Estados Unidos, segundo documentos revelados pelo ex-analista da NSA, Edward Snowden, publicados esta quinta-feira nos meios de comunicação neozelandeses.

O Departamento de Comunicações de Segurança da Nova Zelândia usa a sua base em Waihopai, South Island, para espiar cerca de duas dezenas de países, partilhando os dados recolhidos com os Estados Unidos e com a Grã-Bretanha, Canadá e Austrália, o denominado grupo dos "Cinco Olhos".

De acordo com os documentos, a base recolhe megadados, não se limitando apenas a espiar alvos específicos, interceta emails, comunicações telefónicas e as redes sociais dos países vizinhos.

"Os países dos Cinco Olhos liderados pelos Estados Unidos estão literalmente a procurar espiar todos os países do mundo... e o que nós vamos ouvir nos próximos dias será sobre o modo como a Nova Zelândia, em todo o tipo de formas surpreendentes, desempenhou um papel nesse jogo", afirmou o jornalista Nicky Hager, do "New Zealand Herald", jornal que conjuntamente com o site de notícias neozelandês "The Intercept", levou a cabo a investigação baseada nos documentos da NSA.

Os países dos "Cinco Olhos" estabeleceram um pacto para não se espiarem entre si e partilharem as informações que recolherem sobre outros países.

Primeiro-ministro não desmente 

O primeiro-ministro neozelandês, John Key, reagiu a estas revelação não as desmentindo. Afirmou apenas que contêm erros e falsas assunções, não especificando quais.

"Se eu fosse um neozelandês e o primeiro-ministro da Nova Zelândia chegasse e me dissesse que nós tínhamos um serviço de informações para o estrangeiro que não estava a recolher informações sobre o estrangeiro, eu perguntar-lhe-ia 'para que raio estamos nós a pagar-lhe dinheiro? E que raio estão vocês a fazer?'", afirmou o primeiro-ministro em declarações citadas pelo site de informação neozelandês "Stuff".

Fiji, Papua Nova Guiné, Ilhas Salomão, Samoa, Vanuatu, Kiribati, Nova Caledónia, Tonga e Polinésia Francesa encontram-se entre os territórios espiados pela Nova Zelândia.