Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Condenado Alexey Navalny, o mais famoso opositor de Putin

Navalny, no tribunal, à espera de saber qual é a sua sentença

Sergei Karpukhin/REUTERS

Um tribunal russo condenou hoje Navalny a três anos de prisão por desvio de fundos, mas a pena é suspensa. A mesma sorte não teve o seu irmão, que irá ter de cumprir pena. Apoiantes preparam manifestação.

Cátia Bruno

Cátia Bruno

Jornalista

Alexei Navalny, conhecido opositor político do Presidente russo Vladimir Putin, foi condenado a três anos de pena suspensa esta terça-feira, por desvio de fundos. Navalny e o seu irmão Oleg foram acusados de ter desviado 30 milhões de rublos (cerca de 400 mil euros) de duas empresas, entre elas uma filial da francesa Yves Rocher.

A acusação tinha pedido 10 anos de prisão para Navalny, que está atualmente a cumprir uma pena de cinco anos de prisão domiciliária por outro crime financeiro, mas o tribunal optou por condenar o ativista a três anos de pena suspensa. Navalny é conhecido pelas várias acusações de corrupção que tem feito ao Kremlin, falando em casos de peculato em larga escala em empresas como o banco estatal VTB.

O tribunal condenou o irmão de Alexei, Oleg, a três anos e meio de prisão efetiva. "Não têm vergonha do que estão a fazer?", perguntou Alexei aos juízes. "Por que estão a pô-lo na prisão? Para me castigar ainda mais?", relata a agência Reuters.

 

Motivações políticas?

Alexei Navalny é um dos mais conhecidos opositores políticos de Putin. Entre 2011 e 2012, liderou grande parte dos fortes protestos que se fizeram sentir na Rússia contra a corrupção do Governo. Em 2013, candidatou-se à câmara de Moscovo, tendo ficado em segundo lugar com 27% dos votos.

Navalny está envolvido em vários casos na justiça, relacionados com corrupção, que o próprio considera terem motivações políticas. "Este regime não merece existir. Deve ser destruído", disse o político aos jornalistas presentes à saída do tribunal esta terça-feira.

Os apoiantes de Navalny já convocaram uma manifestação para a tarde de terça-feira. Na rede social Facebook, cerca de 16 mil pessoas prometem estar presentes.