Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Canadá dá ordem de emergência. Passa a ser obrigatório dois tripulantes em permanência no cockpit

  • 333

FOTO CHRIS WATTIE/REUTERS

Decisão foi anunciada pela ministra dos Transportes e surge depois do caso do avião da Germanwings que caiu nos Alpes - o copiloto, que é acusado de ter despenhado intencionalmente o aparelho, não deixou o piloto entrar no cockpit (o comandante tinha-se ausentado brevemente).

Raquel Pinto

Raquel Pinto

Jornalista

O Canadá anuncia mudança "imediata" de regras. Em todos os voos comerciais no país vai passar a ser obrigatório a permanência de dois membros da tripulação no cockpit durante o tempo de voo. A ministra dos Transportes, Lisa Raitt, surpreendeu esta quinta-feira a Câmara dos Comuns com a apresentação da diretiva de emergência.

O passo do governo canadiano surge poucas horas depois de serem revelados dados supreendentes sobre o que aconteceu terça-feira no avião da Germanwings que se despenhou nos Alpes franceses com 150 pessoas a bordo. O copiloto terá aproveitado a saída do piloto para se trancar na cabine de voo e provocar intencionalmente a queda do avião, segundo as informações mais recentes da investigação francesa. 

"Este pedido [do Governo do Canadá] irá preencher uma lacuna nas regras", salientou a ministra, acrescentando que, "a partir desta ordem, haverá o requisito para que estejam sempre duas pessoas no cockpit".

A alteração de "emergência" segue-se ao anúncio da Air Canada de que iria proceder à mudança na sua política nesse mesmo sentido. Esta é a maior companhia aérea do país e a quarta mais segura do mundo, aponta o ranking de 2015 do Jacdec Airline Safety, centro alemão de investigação de acidentes aéreos. A posição refere-se à análise do ano transato.

Outras companhias já anunciaram a revisão das regulações de voo para incluir a regra obrigatória de "dois elementos" no cockpit. São elas a Air Transat (Canadá), Norwegian Air Shuttle (Noruega), Easyjet (Reino Unido) e a Icelandair (islândia).

A Aerlingus e a Ryanair vieram confirmar que este já é um requisito implementado durante o voo. Sempre que um membro do cockpit precisa de sair, um elemento de cabine é chamado para ocupar temporariamente o lugar.