Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Baltimore, cidade em fúria. E em emergência

  • 333

Bombeiros tentam apagar incêndio num edifício visado pelos protestos na cidade

FOTO EPA

A fúria voltou a sair à rua depois da morte de um jovem negro, alegadamente às mãos da polícia. Se a polícia não for capaz de conter os motins, 5000 paramilitares da Guarda Nacional estão já de prevenção. 

O governador do estado norte-americano de Maryland convocou milhares de agentes policiais e da Guarda Nacional para controlar os motins em Baltimore.

"As pilhagens e os atos de violência não vão ser tolerados. Em resposta [aos motins] coloquei a Guarda Nacional em alerta para que se possa deslocar rapidamente se for preciso", anunciou o governador Larry Hogan.

O superintendente da polícia de Maryland, William Pallozzi, ordenou que 500 agentes de todo o estado viessem dar apoio aos polícias da cidade. A comandante da Guarda Nacional, Linda Singh, disse ter 5000 paramilitares prontos e prometeu destacá-los em "toda a força" para proteger pessoas e bens.

Entretanto, com objetivo de conter a ira dos manifestantes que já provocaram ferimentos em 15 agentes, alguns dos quais com gravidade e elevados danos materiais, a presidente da Câmara de Baltimore decretou a partir desta terça-feira, e durante uma semana, o recolher obrigatório entre as 22h e as 5h locais (mais cinco horas em Lisboa).

Os violentos motins de segunda-feira à noite começaram depois do funeral de Freddie Gray, um jovem negro de 25 anos morto a 19 de abril em circunstâncias ainda não esclarecidas, quando estava sob custódia policial.

A polícia de Baltimore, que esta noite fez pelos menos 27 detenções durante os protestos,  admitiu na sexta-feira que o jovem deveria ter recebido assistência médica imediatamente depois de ter sido detido.

Quando faleceu, 80% da sua coluna vertebral estava 'cortada' na zona das cervicais, segundo os advogados da família.

Seis polícias foram suspensos enquanto esperam que a polícia entregue a 1 de maio as conclusões do seu inquérito ao procurador de Maryland, que pode decidir abrir um processo.