Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Avião da AirAsia deverá estar no fundo do mar

Fully Handoko/EPA

O Airbus que desapareceu domingo com 162 pessoas a bordo, após ter descolado da Indonésia com destino a Singapura, deverá estar no fundo do mar, segundo referiu o responsável indonésio pelas operações de busca e salvamento. Entretanto, o vice-presidente indonésio indicou que o objeto que fora detetado por um avião australiano não será um destroço do aparelho desaparecido.

Tendo em conta as últimas coordenadas da localização do avião da AirAsia QZ8501, o aparelho deverá estar no fundo do mar, indicou Bambang Selistyo, responsável indonésio pelas operações de busca e salvamento, esta segunda-feira numa conferência de imprensa.

O Airbus A320-200 desapareceu no domingo com 162 pessoas a bordo. O aparelho descolara, de Surabaya, uma das maiores cidade indonésias. O contato foi perdido uma hora antes da prevista para a sua chegada a Singapura e quando o aparelho se encontrava a sobrevoar o mar de Java.

Antes, o comandante solicitara um desvio de rota devido às más condições meteorológicas.

Entretanto, o vice-presidente indonésio, Jusuf Kalla, anunciou que o objeto que fora detetado por um avião australiano que participa nas operações de busca não será do aparelho desaparecido.

O avião australiano indicara ter detetado objectos suspeitos que podem estar relacionados com o avião da AirAsia. 

"Nós não estamos contudo seguros de que seja uma parte do avião desaparecido da AirAsia", indicara anteriormente Dwi Putranto, da base da Força Aérea de Jacarta. "Estamos agora a direcionarmo-nos nessa direção, que se encontra sob condições de muita nebulosidade", acrescentara. 

Um dia depois do desaparecimento , as operações de busca prosseguem.

A China ofereceu-se nesta segunda-feira para se juntar às operações, enviando aviões e navios para participarem nas buscas.

Austrália, Singapura e Malásia destacaram aviões e navios para ajudar nos esforços de busca, enquanto os familiares dos passageiros aguardam em desespero por notícias.

A grande maioria dos 162 passageiros era de nacionalidade indonésia. Não há indicações de que houvessem portugueses a bordo.