Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Aluno que matou professor com uma besta em Barcelona teve "surto psicótico"

  • 333

Centenas de pessoas depositaram flores e velas junto às grades da entrada do edifício, em homenagem ao professor falecido

FOTO QUIQUE GARCIA/AFP/Getty Images

Diagnóstico foi feito pela unidade de psiquiatria do Hospital Sant Joan de Déu. Adolescente tinha um acompanhamento especial na escola mas foi insuficiente para evitar a tragédia. Futuro mais provável passa pelo internamento por dois ou três anos num centro de menores.

O aluno de 13 anos que esta segunda-feira matou um professor e feriu mais quatro pessoas no Instituto Joan Fuster, em Barcelona, utilizando uma besta e um punhal, teve um "surto psicótico" e já era alvo de um acompanhamento especial na escola, por episódios de distração e descida do seu rendimento. A revelação foi feita esta terça-feita pela conselheira de Educação, Irene Rigau, em declarações à Rádio Catalunha, numa altura em que em Espanha se volta a debater a insegurança nos estabelecimentos de ensino.

"No seu relatório escolar é referido que o adolescente necessitava de um acompanhamento especial, porque ultimamente se distraía e registava uma significativa descida no rendimento", afirmou Irene Rigau, garantindo, porém, que não havia registo de qualquer comportamento agressivo por parte do aluno contra colegas ou professores.

Segundo a responsável, o "surto psicótico" do aluno foi diagnosticado por especialistas da unidade de psiquiatria do Hospital Sant Joan de Déu, defendendo ser vital não "estigmatizar" o aluno, nem a família, uma vez que se trata de um "jovem doente".

Irene Rigau frisou que a investigação ainda decorre, apelando ao fim das conclusões precipitadas depois de ter sido revelado que o aluno levava uma besta, uma faca, uma pistola de ar e um cocktail molotov para o ataque. 

Uma vez que a lei espanhola considera os menores (até 18 anos) "inimputáveis", o aluno de 13 anos não será interrogado nem julgado. O mais provável é que o jovem fique internado num centro de menores durante dois ou três anos, esclareceu a  conselheira de educação, que refere a lei reguladora da responsabilidade penal dos menores. 

Multiplicam-se as homenagens ao docente

Entretanto, o Instituto Joan Fuster - que só retomará as atividades letivas na quarta-feira - abriu esta manhã as portas para os professores se reunirem com psicólogos e assistentes sociais com vista a discutirem medidas futuras na sequência do ataque do aluno.

Também dezenas de alunos entraram no estabelecimento - escoltados por agentes da polícia e funcionários da escola de forma a evitarem a exposição mediática - para receberem apoio psicológico.

Paralelamente, centenas de pessoas depositaram flores e velas junto às grades da entrada do edifício, em homenagem ao professor falecido, com mensagens como 'Na Educação não há espaço para a violência. Basta", relata o jornal "El Periódico".

Pelo meio-dia (13h em Lisboa), todas as escolas na Catalunha cumpriram um minuto de silêncio em memória da vítima, enquanto o líder catalão Artur Mas irá ainda hoje prestar uma homenagem frente ao Palácio do Governo, no dia de luto oficial na região autónoma. 

Na quarta-feira, o Instituto Joan Fuster retomará as atividades, estando prevista uma homenagem na parte da manhã ao professor falecido.

Abel Martínez Oliva, de 35 anos, era natural de Lérida, e estava há quinze dias a substituir uma professora de Ciências Sociais que se encontrava de baixa.