Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ajuda humanitária começa a chegar ao Vanuatu

  • 333

FOTO REUTERS/Kris Paras

Começaram a chegar os primeiros mantimentos ao arquipélago do Pacífico Sul, que foi atingido pelo ciclone Pam. Austrália, Nova Zelândia, Reino Unido, França e FMI já prometeram ajuda ao país.

A ajuda humanitária já começou a chegar ao arquipélago de Vanuatu, no Pacífico Sul, que foi atingido na sexta-feira pelo ciclone Pam. Aquela que foi considerada a pior tempestade dos últimos 12 anos devastou mais de metade do país, composto por dezenas de pequenas ilhas.

Na capital, cerca de 90% das casas foram destruídas e 10 mil pessoas ficaram desalojadas na sequência de rajadas de vento superiores a 300 quilómetros à hora, enquanto as comunicações foram interrompidas.

Segundo a Cruz Vermelha, um dos maiores receios é a propagação de doenças como o dengue e a malária, sendo vital o envio de medicamentos para o arquipélago assim como de todo o material de resposta a emergências.

"Precisamos de comida para as próximas semanas e de meios e voluntários para o transporte, necessitamos de barcos para chegar às ilhas, uma vez que muitos aeroportos estão inoperacionais", afirmou Jacqueline Gaillarde, presidente da Cruz Vermelha do Vanuatu, citada pela agência Reuters.

Ajuda a curto e longo prazo

Entretanto, aviões da Força Aérea da Nova Zelândia e da Austrália começaram a chegar a Vanuatu com água, conjuntos de higiene e medicamentos. Está previsto também que os voos comerciais possam aterrar esta segunda-feira no arquipélago com mais ajuda para o país.

"A necessidade de ajuda humanitária é imediata, precisamos dela agora. Mas a longo prazo precisamos de ajuda financeira para começar a reconstruir as nossas infraestruturas", declarou à agência France Presse o Presidente do Vanuatu, Baldwin Lonsdale, após ter participado na III Conferência Mundial da ONU sobre a Redução de Riscos de Desastres, no Japão.

O chefe de Estado sublinhou que o ciclone Pam constitui uma das consequências das alterações climáticas, estando o país mais vulnerável a desastres naturais, como sismos, vulcões ou fenómenos extremos na sequência da subida do nível do mar.

Ciclone ruma a norte

Além da Austrália e da Nova Zelândia, também o Reino Unido, a França e o Fundo Monetário Internacional (FMI) disponibilizaram ajuda ao país. "Estamos disponíveis para ajudar o Vanuatu com medidas rápidas para enfrentar de forma rápida as consequências da catástrofe e reconstruir a economia nos próximos meses", declarou a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde.

De acordo com os especialistas, a intensidade do ciclone Pam - que terá causado 44 mortos só na província de Penama, segundo relatórios da ONU - é comparável com o tufão Haiyan, que assolou as Filipinas em 2013 e que vitimou mais de seis mil pessoas.    

O ciclone que atingiu o arquipélago de Vanuatu (com 83 ilhas e 260 mil pessoas) afetou também os arquipélagos de Kiribati e Salomão, outros dois países da Oceânia, e está neste momento a dirigir-se para a zona norte da Nova Zelândia, perdendo intensidade.