Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Moscovo convoca embaixador grego em protesto contra adoção de medidas anti-Rússia

Sasha Mordovets/Getty

Moscovo protestou “veementemente” contra a expulsão de dois diplomatas russos e a proibição no território grego de dois outros cidadãos do país

A Rússia convocou nesta sexta-feira o embaixador grego em Moscovo, Andreas Friganas, para "protestar" contra o que designou como "medidas anti-Rússia" tomadas pelo Governo grego, que anunciou a expulsão de diplomatas russos. Moscovo "protestou veementemente contra a expulsão de dois diplomatas russos e a proibição no território grego de dois outros cidadãos russos", informou num comunicado o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo.

A Grécia anunciou, na quarta-feira, que havia tomado "medidas para garantir o interesse nacional" após a "interferência" de autoridades russas na solução da disputa entre a Grécia e a Macedónia. Segundo os meios de comunicação gregos, Atenas prepara-se para expulsar dois diplomatas russos e proibir a entrada no país de dois outros cidadãos russos.

"Consideramos essa ação absolutamente infundada e sem base em factos", referiu o ministério russo, temendo que a decisão prejudique "gravemente" as relações bilaterais. A Rússia já havia alertado, na quarta-feira, que pretendia tomar "medidas recíprocas" contra Atenas.

"É óbvio que por trás das decisões antirrussas do Governo grego está Washington, no contexto da cimeira da NATO", que aconteceu entre 11 e 12 de julho, em Bruxelas, considerou ainda o ministério russo. Nesta cimeira, a NATO convidou a Macedónia a iniciar as negociações de adesão após o acordo alcançado com Atenas sobre o novo nome do país, que irá passar a chamar-se República da Macedónia do Norte. Mas a adesão apenas se tornará efetiva caso a alteração do nome seja aprovada em referendo, precisou a NATO.

A imprensa grega refere que Atenas acusa os diplomatas russos de tentar influenciar a comunidade monástica do Monte Athos (no nordeste), conhecida pelo seu feroz patriotismo, e as autoridades locais no norte do país para organizarem manifestações contra o acordo com Skopje.