Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“A posição oficial dos EUA é que a Crimeia é ucraniana”, afirma Presidente da Ucrânia

Getty Images

Em entrevista a um canal francês, Petro Poroshenko disse acreditar que não haverá quaisquer negociações sobre a república autónoma, anexada por tropas russas em 2014, durante o encontro da próxima segunda-feira entre os Presidentes dos EUA e da Rússia. O chefe de Estado da Ucrânia também apelou à mobilização de capacetes azuis da ONU para o leste do país para pôr fim à “agressão russa”

Se os Presidentes dos EUA e da Rússia discutirem a questão na Crimeia durante o encontro em Helsínquia da próxima segunda-feira, estarão a violar o direito internacional, os acordos de segurança entre os países ocidentais e a Ucrânia e as declarações da NATO. A convicção foi expressa pelo Presidente ucraniano Petro Poroshenko numa entrevista concedida ao canal francês France 24, durante a cimeira da Aliança Atlântica, e difundida esta quinta-feira.

Poroshenko acredita, por isso, que não haverá quaisquer negociações sobre a república autónoma anexada por tropas russas em 2014, sublinhando que “a posição oficial dos Estados Unidos é que a Crimeia é ucraniana”.

O chefe de Estado aproveitou também para criticar o projeto de construção de um oleoduto entre a Rússia e a Alemanha, afirmando tratar-se de um projeto “político” e “perigoso” para a Europa. Petro Poroshenko apelou ainda à mobilização de capacetes azuis da ONU para o leste da Ucrânia para pôr fim ao que apelida de “agressão russa” em curso.

O Presidente ucraniano mostrou-se, por fim, otimista quanto a uma possível troca de prisioneiros com a Rússia, incluindo do cineasta Oleg Sentsov. O realizador ucraniano foi preso na Crimeia, na sequência da anexação russa, e condenado a 20 anos de prisão por alegadamente planear atos terroristas.