Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

McCain volta a arrasar Trump. A prestação diplomática do Presidente na NATO foi “desoladora” mas “não uma supresa”

Win McNamee/Getty Images

John McCain, senador republicano do Arizona, voltou a criticar Donald Trump. Desta vez foi a prestação de Trump junto dos parceiros da NATO e a sua aparente aproximação a Vladimir Putin que mereceram desaprovação do senador

O senador republicano John McCain desferiu mais um golpe na conduta de Donald Trump, desta vez a propósito dos comentários que o Presidente dos Estados Unidos fez em relação ao Presidente russo Vladimir Putin.

Numa conferência de imprensa em Bruxelas, pouco depois de terminada a cimeira da NATO, Trump disse que “claro” que falaria com Putin sobre a ingerência de informáticos russos nas presidenciais norte-americanas de 2016, mas também acrescentou que não considerava o Presidente russo um inimigo: “é mais um concorrente”, disse Trump.

McCain, porém, não vê as coisas da mesma forma e disse que seria “uma séria acusação” sobre a Administração Trump se o Presidente optasse por não questionar Putin sobre “várias ações” do Kremlin que McCain considera graves. “Putin não é um amigo da América, nem sequer é um concorrente. Putin é inimigo da América, não porque o desejamos, mas porque ele assim o escolheu”, disse o senador que se encontra em casa por sofrer de um cancro no cérebro.

O senador do Arizona passou, depois, para a enumeração de várias transgressões por parte da Rússia, incluindo aquilo que classificou de “ataque” às eleições norte-americanas” e os esforços do Kremlin para “enfraquecer as instituições democráticas de todo o mundo”. A esta lista, McCain acrescentou a anexação da Crimeia e o apoio à “matança” que, na sua opinião, está a ser conduzida pelo regime do Presidente sírio Bashar al-Assad, na Síria, com a ajuda do Exército russo.

“A tarefa mais importante do Presidente é a de reverter esta perturbadora tendência de mostrar mais estima e reverência pelos inimigos da América do que pelos seus aliados”, escreveu McCain num comunicado.

Sobre a prestação de Trump na cimeira da NATO, onde o Presidente acusou os aliados de dependerem dos Estados Unidos na área da Defesa sem contribuírem o que deviam para o orçamento da aliança, McCain também não foi meigo. “A qualidades diplomáticas demonstradas por Trump na cimeira da NATO em Bruxelas foram uma desilusão, mas não foram surpresa nenhuma”, disse o senador.