Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Grécia expulsa diplomatas russos que interferiram no caso do nome da Macedónia

Artyom Geodakyan

Segundo uma fonte oficial grega, as autoridades russas têm até sexta-feira para recolher os dois diplomatas, que ainda estão no país

A Grécia expulsou esta quinta-feira dois diplomatas russos e bloqueou a entrada de outros dois no país, depois de ter sido reportado que o clero e organizações gregas aceitaram dinheiro de Moscovo para se oporem ao compromisso sobre nome da Macedónia.

Segundo uma fonte oficial grega, as autoridades russas têm até sexta-feira para recolher os dois diplomatas, que ainda estão no país.

O financiamento russo do clero grego tinha anteriormente sido "tolerado" em nome dos laços de amizade religiosos entre as duas nações ortodoxas, de acordo com a fonte, que falou sob anonimato.

A fonte acrescentou que o Governo russo foi obrigado a agir quando soube que os fundos russos tinham sido especificamente destinados para apoiar protestos a realizar após a assinatura do acordo entre os ministros dos Negócios Estrangeiros da Grécia e da Macedónia.

O porta-voz do Governo grego, Dimitris Tzanakopoulos, disse na quarta-feira que Atenas não aceitaria qualquer "comportamento que viole a lei internacional" e desrespeite a Grécia.

Um diplomata russo, que também falou sob anonimato por não ter autorização de discutir publicamente o caso, classificou as alegações de interferência russa como "disparates".

Maria Zakharova, porta-voz do Ministério do Negócios Estrangeiros russo, avisou que as expulsões de diplomatas costumam sempre ter reações, mas sublinhou a importância das relações entre os dois países.

Igor Pshenichnikov, especialista para o Instituto Russo de Estudos Estratégicos, não concordou com a resposta diplomática do ministério, pois assegura que as autoridades gregas agiram "segundo a pressão dos seus conselheiros em Bruxelas e Washington".

Segundo Pshenichnikov, citado pela TASS, agência de informação da Rússia, a expulsão foi um "presente para a cimeira da NATO" do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

A Grécia e a Macedónia assinaram um acordo, em meados de junho, para resolver a sua disputa de 27 anos sobre o uso do nome da Macedónia, visando ainda o levantamento do bloqueio grego à entrada da antiga República jugoslava na NATO.

O acordo, que definiu a alteração do nome do país para Macedónia do Norte, enfrenta ainda mudanças constitucionais e um referendo público, antes que possa ser declarado oficial.

Na quarta-feira, os líderes da NATO convidaram oficialmente a Macedónia para o início das conversas de adesão, embora avisando que nada poderá ser finalizado até que a "questão do nome" esteja resolvida, designadamente em referendo.