Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Wendi Winters, a mulher que se colocou entre os seus colegas e a morte

Wendi Winters, repórter de 65 anos, pode ter salvado a vida de cinco pessoas ao impedir a progressão do homem que matou cinco pessoas num jornal de Maryland em junho passado

Chip Somodevilla/Getty

No dia 28 de junho, Jarrod Ramos entrou na redação do Capital Gazette, em Annapolis, no estado norte-americano de Maryland, decidido a matar “toda a gente que encontrasse”. Já tinha ameaçado várias vezes o jornal e, quando finalmente concretizou o ataque, matou cinco pessoas. Agora, os sobreviventes dizem que se não fosse a coragem de uma colega, tudo podia ter sido muito pior

Dos 11 funcionários que estavam dentro do Capital Gazette, o jornal de Annapolis, no estado norte-americano de Maryland quando Jarrod Ramos começou a disparar sobre a redação, apenas seis sobreviveram. Menos teriam sobrevivido se não fosse Wendi Winters, editora da secção de notícias locais. Pagou com a própria vida o ato de bravura que havia de salvar a vida aos seus colegas - e agora eles uniram-se para contar a história daquele dia.

“Ela distraiu-o tempo suficiente para ele se esquecer de mim porque eu levantei-me assim que ele entrou e estava a olhar para a porta”, disse Janel Cooley, consultora de vendas no jornal ao próprio Capital Gazette. Segundo os restantes membros da equipa do jornal, Winters agarrou num caixote do lixo e num outro recipiente destinado à reciclagem e atirou-os ao invasor, que entrou na redação disparando um tiro de caçadeira contra a porta de vidro.

Rachael Pacella, Phil Davis e um estagiário, Anthony Messenger, estavam a trabalhar ao fundo da redação quando os disparos começaram. Pacella escondeu-se debaixo da sua secretária, Davis atirou-se para o chão e Messenger correu para a porta do fundo, que o atirador tinha fechado barricando toda a gente lá dentro. Os disparos eram continuos mas, de repente, pararam. Cooley lembra-se de ouvir Winters dizer: “Não, pára já com isso, sai já daqui!”, uma história que o fotojornalista Paul Gillespie também confirma. “Ouvi-a gritar ‘Não!’ ‘Não!’ durante todo o tumulto”, relembrou o repórter ao Capital Gazette.

Quando tudo acabou, cinco membros da equipa tinham morrido. Os que se salvaram não viram o ato heróico de Winters, apenas o seu corpo no corredor quando a polícia chegou e eles foram autorizados a sair do edifício. David disse que aquela pausa entre tiros, que aconteceu quando Winters confrontou Ramos, pode ter sido o que os salvou. O mesmo pensa Pacella. “Estou absolutamente convencida que a Wendi Winters me salvou a vida”, disse ao seu próprio jornal.

Jarrod Ramos já tinha feito várias ameaças ao jornal, enviando, nesse próprio dia, uma carta onde dizia que iria matar “todos os que pudesse”. A polícia estava a acompanhar os seus movimentos, mas não conseguiu prever este ataque. Ramos terá começado a pensar em formas de se vingar do Capital Gazette depois de o jornal ter publicado uma história sobre a sua condenação por assédio sexual através da internet, em 2011.

Ramos está preso, acusado de cinco homícidios.