Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump não surpreendeu e nomeou juiz conservador para Supremo Tribunal dos EUA

MANDEL NGAN/AFP/Getty Images

O juiz Brett Kavanaugh deverá consolidar o controlo conservador do tribunal nos próximos anos. Alguns democratas já prometeram tentar bloquear a confirmação do juiz no Senado, mas os republicanos controlam a câmara, ainda que por uma margem estreita. A ser confirmado, Kavanaugh substituirá Anthony Kennedy, que há duas semanas anunciou a reforma aos 81 anos

O Presidente dos EUA, Donald Trump, indicou esta segunda-feira o juiz Brett Kavanaugh para o Supremo Tribunal norte-americano. A escolha, que ainda terá de ser confirmada pelo Senado, deverá consolidar o controlo conservador do tribunal nos próximos anos.

Alguns democratas já prometeram tentar bloquear a confirmação de Kavanaugh. No entanto, os republicanos controlam o Senado por uma margem estreita e podem garantir sozinhos a nomeação do nome indicado pelo Presidente se evitarem eventuais deserções nas suas fileiras, lembra a agência de notícias Reuters.

Caso seja confirmado, Kavanaugh substitui o juiz Anthony Kennedy, que a 27 de junho anunciou a reforma aos 81 anos, e torna-se a segunda nomeação de Trump para o mais alto órgão judicial dos EUA no ano e meio que leva de mandato.

Juiz esteve presente nas grandes controvérsias dos últimos 20 anos

Kavanaugh esteve envolvido nalgumas das maiores controvérsias nas últimas duas décadas: ajudou a investigar o antigo Presidente democrata Bill Clinton nos anos 1990, integrou a equipa do republicano George W. Bush na contagem de votos na Florida nas eleições de 2000 e viria depois a juntar-se à equipa de Bush na Casa Branca.

O Supremo Tribunal dos EUA é composto por nove juízes, cuja nomeação é vitalícia. Apesar de ser um juiz conservador nomeado por Ronald Reagan, Anthony Kennedy juntava-se frequentemente aos juízes liberais em questões como o aborto ou os direitos dos homossexuais (nalgumas votações foi dele o voto decisivo para resultados de 5-4). Não é expectável que Kavanaugh replique essa forma de atuação.