Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Homem britânico exposto a agente neurotóxico recupera a consciência

Namorada de Charlie Rowley, Dawn Sturgess, também ela exposta ao agente neurotóxico identificado como 'novichok', morreu no domingo passado após oito dias de internamento

O homem britânico de 45 anos hospitalizado há vários dias em estado crítico após exposição ao agente neurotóxico 'novichok' no sul de Inglaterra recuperou a consciência, anunciou nesta terça-feira o hospital de Salisbury. "Constatámos uma melhoria ligeira, mas significativa no estado de saúde de Charlie Rowley. Ele está num estado crítico mas estável e está agora consciente", informou a unidade hospitalar, num comunicado.

"Embora isto seja uma boa notícia, ainda não estamos fora de perigo. Charlie ainda está muito doente e precisa de cuidados especializados 24 horas por dia aqui no hospital de Salisbury", acrescentou a nota informativa. A namorada de Charlie Rowley, Dawn Sturgess, também ela exposta ao agente neurotóxico identificado como 'novichok' (um componente químico que ataca o sistema nervoso e que pode ser fatal), morreu no domingo passado após oito dias de internamento.

O principal cenário levantado pela polícia britânica é que a exposição do casal esteja relacionada com o ataque ocorrido em março passado, com o mesmo agente químico, contra o ex-espião russo Sergei Skripal e a sua filha Yulia Skripal. A polícia ainda está a tentar perceber "quando e onde" Charlie Rowley e Dawn Sturgess (um casal que chegou a viver na rua) foram expostos a "uma forte dose" de 'novichok'. O manuseamento de um objeto contaminado poderá ser uma forte possibilidade.

O casal foi encontrado inconsciente, a 30 de junho, em Amesbury, uma pequena cidade do sul de Inglaterra a uma dezena de quilómetros de Salisbury, localidade onde Serguei Skripal e a filha Yulia foram envenenados a 04 de março, originando uma grave crise diplomática entre Moscovo e o Ocidente.

O caso Skripal provocou uma crise diplomática que se traduziu numa ação coordenada inédita para a expulsão de diplomatas russos de vários países ocidentais, incluindo os Estados Unidos e dois terços dos países membros da União Europeia (UE), a que a Rússia respondeu com a expulsão de diplomatas ocidentais. O Reino Unido mantém que o ataque contra os Skripal foi ordenado pelo Governo russo, uma acusação que continua a ser recusada por representantes do Presidente da Rússia, Vladimir Putin.

A substância conhecida como 'novichok' é uma arma química desenvolvida pela então União Soviética no final do período da Guerra Fria. Este novo caso de envenenamento assustou alguns residentes do sul de Inglaterra, que pensavam estar livres de novas exposições ao agente químico.

O ex-espião russo Sergei Skripal e a sua filha Yulia Skripal foram hospitalizados em estado crítico, mas sobreviveram e acabaram por ter alta médica depois de várias semanas de internamento.