Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Düsseldorf protesta contra o esboço de nova lei de vigilância policial

"Não à lei policial!"

SASCHA STEINBACH / EPA

"A liberdade morre com a segurança", lê-se num cartaz empunhado pelos manifestantes que protestam este sábado em Düsseldorf contra o aumento da vigilância e controlo da população previsto por uma nova lei para as forças de segurança do estado da Renânia do Norte-Vestefália

Cristina Peres

Cristina Peres

Jornalista de Internacional

Perto de 100 mil pessoas encheram neste sábado à tarde as ruas de Düsseldorf , no Land da Renânia do Norte-Vestefália, em protesto contra a a proposta de nova lei que dá poderes reforçados à polícia para vigiar e controlar a população.

A Renânia do Norte-Vestefália é o estado federado mais populoso da Alemanha e está a tomar estas medidas na sequência do que fez a Baviera em abril último. Porém, o seu governo tem oposição à altura do projeto.

Segundo o site da Deutsche Welle (DW), os protestos atraíram e uniram políticos da oposição, sindicatos e até clubes de futebol rivais daquela região com o fito de deixar claro que o esboço de lei expande os poderes policiais sem "oferecer proteção suficiente aos direitos dos cidadãos".

"A liberdade morre com a segurança", lê-se num cartaz empunhado pelos manifestantes em cujo escudo da região o cavaleiro e o rio Reno foram substituídos por uma câmara de vigilância e um par de algemas.

A ameaça de violência extremista está a servir de argumento para a nova lei incluir a "ameaça de perigo" como justificação para vigilância policial oculta bem como o aumento da vigilância digital aos serviços de mensagens encriptados como o Whatsapp. Além disto, a nova lei propõe dar poder à polícia para controlar e intercetar chamadas e mensagens, manter os suspeitos presos até 28 dias e impôr medidas de proibição preventivas de três meses.

As autoridades estaduais defendem que as novas medidas, como o uso de tasers, a vigilância de Whatsapp e a expansão das operações policiais vão aumentar a segurança dos cidadãos naquela região. A DW deu voz a peritos em leis que afirmam o contrário.

Por enquanto, as coisas são claras para os manifestantes que o exprimem com mensagens como a que se lê no cartaz na foto: "Quando a falta de direito se torna direito, a oposição passa a obrigação".