Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Pyongyang estará a construir novo submarino capaz de disparar mísseis balísticos, diz Coreia do Sul

AFP Contributor/Getty Images

A mesma informação já tinha sido avançada em outubro do ano passado pelos serviços secretos militares dos EUA. Submarino estará a ser construído no porto de Sinpo, na costa leste da Coreia do Norte

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Militares sul-coreanos dizem ter informações de que a Coreia do Norte estará a construir um novo submarino com capacidade para disparar mísseis balísticos e nucleares. Kim Hack-yong, um congressista sul-coreano que até há bem pouco tempo era chefe do comité de defesa do governo, disse ao jornal norte-americano “The Wall Street Journal” que a infraestrutura estará a ser construída no porto de Sinpo, na costa leste do país.

Segundo um assessor seu, foram observadas movimentações naquele porto que sugerem que o submarino estará a ser construído numa estrutura interna. Uma fonte dos serviços secretos militares dos EUA já tinha revelado a mesma informação à revista “The Diplomat”, em outubro do ano passado, acrescentando que, dadas as dimensões da obra, se poderá tratar da maior plataforma do género alguma vez construída para a marinha norte-coreana.

A revelação é feita no mesmo dia em que o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, chegou a Pyongyang, onde se espera que pressione o líder norte-coreano para renunciar ao seu material nuclear. Donald Trump tentou fazê-lo há um mês, durante o seu encontro com Kim Jong Un em Singapura, mas sem grande sucesso. Embora Trump tenha feito algumas concessões, anunciando, por exemplo, a suspensão dos exercícios militares com a Coreia do Sul, nenhum acordo sólido foi alcançado. Em nenhum momento Pyongyang comprometeu-se a renunciar ao arsenal nuclear que esteve na origem de várias sanções impostas pelas Nações Unidas.

“O objetivo da minha visita é obter pormenores sobre este compromisso e continuar a aplicação daquilo que foi acordado entre os dois líderes. Espero o mesmo da República Popular Democrática da Coreia (RDPC)”, o nome oficial da Coreia do Norte, disse Mike Pompeo durante uma escala na base norte-americana de Yokota, no Japão. Pompeo foi recebido pelo seu homólogo norte-coreano, Ri Yong-ho, e por aquele que é considerado o “braço direito” do líder norte-coreano, Kim Yong-chol.

Nas últimas semanas, foram surgindo novas evidências de que a Coreia do Norte não está assim tão empenhada em abdicar do seu armamento nuclear, como o foram as imagens de satélite divulgadas no final de junho que mostravam que os trabalhos de desenvolvimento prosseguiam no centro de investigação nuclear de Yongbyon. À “NBC News”, cinco fontes do governo dos EUA garantiram que Pyongyang aumentou a produção de urânio enriquecido para fabrico de armas nucleares.

A Coreia do Norte tem uma das maiores frotas de navios do mundo - 430 embarcações de superfície e 70 submarinos, segundo as contas do ministério da Defesa da Coreia do Sul.