Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Macedónia. Referendo sobre designação do país previsto para final de setembro

Zoran Zaev, presidente da Macedónia

Emmanuele Contini/Getty

Em caso de o sim ganhar o referendo, uma revisão constitucional deverá ser validada pelo parlamento, por uma maioria de dois terços

O referendo previsto para a Macedónia para rebatizar o país de "República da Macedónia do Norte" deverá ser marcado para final de setembro ou início de outubro, indicou nesta quinta-feira Zoran Zaev, primeiro-ministro deste país dos Balcãs. Interrogado sobre a data provável do referendo pela televisão pública grega, Zoran Zaev respondeu que o ato deverá ser agendado para uma data situada entre 23 de setembro e 7 de outubro.

"Espero que o resultado seja positivo", disse Zoran Zaev, mostrando-se convicto que o desfecho do referendo porá fim a um litígio com a vizinha Grécia, que tem uma província com o nome de Macedónia. O resultado do referendo é incerto, tanto mais que existe uma oposição de direita nacionalista na Macedónia, hostil a qualquer compromisso com Atenas e que tem apelado ao "não" no referendo.

O presidente do país, Gjorgje Ivanov, recusou a 26 de junho assinar o texto aprovado no parlamento por uma coligação dominada pelos sociais-democratas. Esta decisão de Gjorgje Ivanov foi bem acolhida pela oposição nacionalista de direita, mas segundo a Constituição da Macedónia não poderá repetir o veto se lhe for apresentado um novo texto aprovado pelo parlamento.

O processo está, contudo, longe de estar terminado. Em caso de o sim ganhar o referendo, uma revisão constitucional deverá ser validada pelo parlamento, por uma maioria de dois terços. Em troca deste acordo com a Grécia, Skopje espera uma abertura rápida de negociações com vista à sua adesão da União Europeia (UE), assim como um convite para se juntar à NATO.

À semelhança do que sucede com a Albânia, a UE decidiu em finais de junho que as negociações de adesão não começam antes de junho de 2019, decisão apoiada em condições e reservas colocadas pela França e Holanda. A Grécia nega ao seu pequeno vizinho o uso simples da designação "Macedónia", sem atribuição geográfica suplementar, considerando que o termo designa a sua província setentrional.

Dez anos após a sua independência, a Macedónia foi admitida nas Nações Unidas sob a designação de "Antiga República jugoslava da Macedónia", terminologia também adotada pela UE.
Porém, numerosos países, incluindo a Rússia e Estados Unidos, reconhecem o pequeno país simplesmente por "Macedónia".