Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Advogado de atriz porno que processou Trump admite concorrer à presidência dos EUA

Drew Angerer/Getty Images

Michael Avenatti, o advogado da atriz pornográfica que afirmou ter tido uma relação extraconjugal com Donald Trump, mostrou-se disponível para se candidatar à presidência dos EUA caso não haja candidatos capazes de vencer o Presidente norte-americano

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Michael Avenatti, o advogado da atriz pornográfica que afirmou ter tido uma relação extraconjugal com Donald Trump, mostrou-se disponível para se candidatar à presidência dos EUA caso não haja um concorrente “à altura” do Presidente norte-americano.

“Se ele [Donald Trump] procurar a reeleição, eu vou concorrer, mas apenas se achar que não há outro candidato que tenha hipóteses de vencê-lo”, escreveu o advogado numa mensagem publicada no Twitter. “Não podemos repetir 2016. Amo demasiado este país, os nossos valores e o nosso povo para ficar parado enquanto eles são destruídos”, acrescenta a mensagem.

Michael Avenatti é advogado de Stormy Daniels, a atriz pornográfica que disse ter tido um caso com Donald Trump em 2006 e ter sido ameaçada e coagida a manter-se em silêncio sobre a situação. Depois de o Presidente norte-americano ter negado o seu envolvimento e acusado a atriz de estar a mentir, Stormy Daniels avançou com um processo contra Trump.

Apesar de ter negado o caso, Stormy Daniels recebeu 130 mil dólares (105 mil euros) através de Michael Cohen, um dos advogados de Trump, dias antes das eleições presidenciais de dezembro de 2016. Cohen confirmou o pagamento e garantiu que o dinheiro era seu, não do Presidente norte-americano.

Michael Avenatti é administrador e acionista maioritário do escritório de advocacia Eagan Avenatti, e é ainda proprietário de outra firma de advogados, a Avenatti & Associates, que representa Stormy Daniels.

Numa entrevista posterior à CNN, Avenatti disse querer inverter as políticas de Trump para a migração, reforçar a reputação internacional dos EUA e combater o desemprego. “Espero que haja alguém competente o suficiente para derrotar Trump e a pergunta é - quem é que poderá derrotá-lo? Espero que essa pessoa apareça. Se não aparecer, cá estarei eu para o fazer”, reforçou.