Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Uma mulher é eleita pela primeira vez autarca de Tunes

Anadolu Agency / Getty Images

“Ofereço esta vitória a todas as mulheres do meu país, a toda juventude e à Tunísia”, disse, Souad Abderrahim, eleita autarca da capital da Tunísia, Tunes. É a primeira eleição de uma mulher para o cargo

A cabeça de lista nas eleições municipais do partido islâmico Ennahdha, Souad Abderrahim, foi eleita esta terça-feira autarca da capital da Tunísia, Tunes.

A candidata Souad Abderrahim - membro da direção política do Ennahdha mas que se define como independente - foi eleita para o cargo com 26 votos pelos novos conselheiros, contra 22 concedidos ao seu principal adversário, Kamel Idir.

Idir, um ex-líder local sob o regime de Zine El Abidine Ben Ali, foi cabeça de lista do partido Nidaa Tounes, fundado pelo Presidente Beji Caid Essebsi e atual aliado do Ennahda a nível nacional.

"Ofereço esta vitória a todas as mulheres do meu país, a toda juventude e à Tunísia", disse, visivelmente emocionada, a diretora de uma empresa farmacêutica, de 53 anos.

"A primeira questão será melhorar a estética de Tunes", disse Souad Abderrahim à agência de notícias francesa AFP.

A capital da Tunísia é particularmente confrontada com um problema de gestão de resíduos, que piorou após a revolução de 2011, que tirou Ben Ali do poder.

A autarca foi eleita à segunda volta, numa votação que foi boicotada por alguns eleitos de esquerda e do centro, que se recusaram a votar em qualquer um dos dois partidos hegemónicos, Ennahdha e Nidaa.

O Ennahdha venceu em Tunes, mas sem maioria - 21 assentos dos 60 -, nas eleições municipais de 6 de maio, as primeiras desde a revolução em 2011 e que ficaram marcadas por uma elevada abstenção, principalmente entre os jovens.

Ativista durante os seus anos de universidade, Souad Abderrahim teve um assento no bloco do Ennahdha na Assembleia Constituinte de 2011 a 2014, onde ganhou reputação de moralizadora. Em seguida, quase desapareceu do cenário político, até às eleições municipais de 6 de maio.

Essas eleições marcam o início da descentralização, um projeto crucial num país onde os municípios não eram até então muito autónomos, estando dependentes de uma administração central muitas vezes clientelista.