Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Separatistas presos em Madrid transferidos para prisão na Catalunha 

Barcroft Media/GETTY

A antiga presidente do Parlamento catalão Carme Forcadell e a ex-conselheira do Trabalho, Assuntos Sociais e Família da Generalitat da Catalunha, Dolors Bassa, ficarão detidas na prisão de Puig de les Basses, em Girona, enquanto os restantes líderes separatistas catalães ingressarão no estabelecimento prisional de Vilatorrada, em Barcelona

Os seis líderes separatistas catalães detidos em Madrid serão esta terça-feira transferidos para a Catalunha. A medida surge depois de o Executivo de Pedro Sánchez ter aprovado na sexta-feira a transferência de Oriol Junqueras, Jordi Sanchez, Jordi Cuixart, Carme Forcadell, Raül Romeva e Dolors Bassa, acusados de rebelião, sedição e peculato no âmbito da tentativa de proclamação da independência da Catalunha.

Segundo a imprensa espanhola, os seis líderes separatistas deverão passar esta noite num estabelecimento prisional em Saragoça antes de prosseguirem viagem até à Catalunha. Todos os detidos serão transportados num autocarro da Guardia Civil.

“Entre quarta e quinta-feira os seis líderes separatistas catalães deverão dar entrada nos novos centros penitenciários”, refere uma nota da unidade da Guardia Civil, que acompanhará a transferência dos detidos.

A antiga presidente do Parlamento catalão Carme Forcadell e a ex-conselheira do Trabalho, Assuntos Sociais e Família da Generalitat da Catalunha, Dolors Bassa, ficarão detidas na prisão de Puig de les Basses, em Girona, enquanto os restantes ingressarão no estabelecimento prisional de Vilatorrada, em Barcelona.

Foi na semana passada que o juiz Pablo Llarena declarou que não existia razão processual para manter os seis separatistas catalães detidos na capital, pelo que podiam ser transferidos para estabelecimentos prisionais na Catalunha.

A 27 de outubro de 2017, o Governo de Mariano Rajoy anunciou a destituição do executivo regional e a dissolução do Parlamento da Catalunha, convocando eleições para a região autónoma, na sequência da Declaração Unilateral de Independência.