Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Migrações. ONG critica criminalização de resgates no Mediterrâneo e lamenta falta de ação europeia

OLMO CALVO/Getty

Sea Watch considera que as decisões saídas da última cimeira europeia tentam “criminalizar” a fuga para a Europa

A organização não-governamental alemã Sea Watch, que desenvolve operações de resgate no Mediterrâneo, lamentou nesta terça-feira que a União Europeia esteja a tentar criminalizar os migrantes e os que acorrem em seu auxílio, exigindo uma "passagem segura" para os refugiados.

Numa resposta escrita enviada à Lusa, a organização não-governamental (ONG), que acusa as autoridades de Malta de reterem ilegalmente, desde segunda-feira, um navio seu (Sea-Watch 3), salienta que deve ser a União Europeia a promover as ações de salvamento no mar em vez de deixar este trabalho para as organizações privadas, defendendo que os refugiados devem poder viajar em segurança para a Europa onde poderão fazer os seus pedidos de asilo.

A Sea Watch considera que as decisões saídas da última cimeira europeia tentam "criminalizar" a fuga para a Europa e, consequentemente, "todos os que ajudam as pessoas que enfrentam situações de risco" nesta tentativa.

A ONG adianta que neste momento não existe nenhum navio de salvamento civil a operar no Mediterrâneo, tornando junho no mês mais mortífero "desde que a crise humanitária começou, apesar de o número de chegadas ser apenas metade do que era no ano passado".

A Sea Watch contesta igualmente que os navios de resgate estejam a ser impedidos de salvar pessoas que se estão a afogar.
"Enquanto o nosso navio está retido no porto, as pessoas estão a morrer", acusa a organização, acrescentando que não foi dada qualquer explicação para reter o Sea-Watch 3 em Malta.

Hoje, pelo menos sete pessoas, duas delas crianças, morreram e outras 123 foram resgatadas do mar após o naufrágio da embarcação em que seguiam ao largo da Líbia, anunciou a guarda-costeira líbia.

Este novo naufrágio faz subir para 180 o número de migrantes mortos ou desaparecidos desde sexta-feira ao largo da Líbia, segundo um balanço da agência France-Presse dos números fornecidos pela guarda-costeira do país.

Na sexta-feira, os corpos de três bebés foram resgatados da água e uma centena de pessoas desapareceram depois do naufrágio da embarcação em que seguiam. Outras 63 pessoas, que viajavam noutra embarcação, estão desaparecidas desde domingo, segundo um porta-voz da Marinha líbia, Ayoub Kacem.

A guarda costeira disse ainda que nas últimas horas navios-patrulha líbios intercetaram 276 pessoas que partiram da costa líbia e tentavam atravessar o Mediterrâneo, em três operações realizadas na segunda-feira. Entre os 276 havia 29 mulheres e 54 crianças, provenientes de 14 países da África subsaariana, 29 sudaneses e um egípcio.