Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Hamas tentou espiar soldados israelitas com falsas aplicações para telemóvel

Militantes do Hamas contactavam os soldados através da rede social Facebook, muitas vezes fazendo-se passar por mulheres. Depois, tentavam que os contactos se transferissem para o WhatsApp

O exército israelita disse nesta terça-feira ter descoberto uma trama de membros do movimento radical palestiniano Hamas para espiarem soldados israelitas, com recurso às redes sociais e a falsas aplicações para telemóvel. Um responsável dos serviços de informações israelitas disse que inicialmente os militantes do Hamas contactavam os soldados através da rede social Facebook, muitas vezes fazendo-se passar por mulheres, e depois tentavam que os contactos se transferissem para o WhatsApp.

Os soldados eram então persuadidos a utilizar aplicações de encontros falsos, que permitiam aos militantes do Hamas aceder aos telemóveis dos soldados. Após dezenas de relatos de soldados de que recebiam mensagens invulgares, os militares israelitas lançaram a operação "Broken Heart", que permitiu descobrir três aplicações do Hamas que tinham sido descarregadas cerca de 100 vezes por soldados desde o início do ano.

Duas das aplicações, Glancelove e Winkchat, eram de encontros e a terceira, Golden Cup, tinha informação sobre o campeonato do mundo de futebol a decorrer na Rússia.

Eram utilizadas fotografias e informações de mulheres roubadas do Facebook e as conversas eram em hebreu e de números de telemóvel israelitas, adiantando os militares que aqueles que geriam as contas em causa não estariam necessariamente na faixa de Gaza, o enclave palestiniano controlado pelo Hamas. Segundo o mesmo responsável, que não quis ser identificado, apenas cerca de 5% dos soldados estiveram envolvidos naquelas conversas e apenas 2% descarregaram as aplicações falsas.

A mesma fonte disse que os esforços cibernéticos do Hamas para espiar soldados não são novos, embora o método agora descoberto represente uma melhoria significativa, porque permitia controlar o conteúdo de um telefone.

No entanto, indicou o responsável israelita, não se registaram problemas graças às novas diretrizes para a utilização militar de telemóveis. "Mais uma vez o Hamas tentou enganar os nossos soldados nas redes sociais. Mais uma vez o Hamas falhou", disse o oficial num encontro com jornalistas em instalações militares.