Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Governo sírio apela aos refugiados para que regressem ao país

YASIN AKGUL/Getty

Governo sírio assumiu recentemente o controlo de largas áreas em redor de Damasco, estando em curso uma nova ofensiva no sul do país, que poderá provocar a deslocação de 270 mil pessoas

O Governo sírio apelou nesta terça-feira aos muitos milhares de refugiados que regressem ao país, alegando que os rebeldes, que apelida de "terroristas", foram expulsos de vastas áreas do território, informou hoje agência Associated Press. O apelo feito através dos media oficiais parece refletir a crescente confiança e otimismo do governo sírio volvidos sete anos de conflito armado, em que mais de 5,6 milhões de sírios abandonaram o país.

O Governo sírio, com o apoio crucial da Rússia e do Irão, assumiu recentemente o controlo de largas áreas em redor da capital, Damasco, estando em curso uma nova ofensiva no sul do país, que poderá provocar a mobilidade de 270 mil pessoas. O Conselho de Segurança das Nações Unidas reune-se na quinta-feira, a pedido da Suécia e do Kuwait, para analisar as rápida deterioração da situação humanitária no sul da Síria.

O Governo sírio controla atualmente 61% do território, em contraste com os 17% em 2017, segundo dados do Observatório para os Direitos Humanos, que monitoriza o conflito. Mais de 5,6 milhões de sírios abandonaram o país desde o iníco do conflito armado, tendo o Ministério dos Negócios Estrangeiros sírio garantido que muitos dos refugiados já regressaram.

Contudo, muitos sírios estão impossibilitados de regressar porque as suas casas foram destruídas pelos bombardeamentos ou por recearem as forças governamentais.

Entretanto, um representante das Nações Unidas visitou hoje um campo de refugiados palestinianos em Damasco que as forças governamnatis recapturam em maio aos insurgentes, após duros combates, e que acolheu milhares de palestianos e sírios.

O campo de Yarmouk, que serve de "casa" a 160 mil palestianos, está agora em ruínas, tendo Pierre Krahenbuhl, comissário da ONU para os refugiados palestianos, testemunhado as difíceis condições e o desejo de muitos dos refugiados palestianos em regressar e reconstruirem as suas vidas.

Krahenbuhl queixou-se dos cortes dos Estados Unidos nos fundos para os refugiados e lembrou que a agência tem um défice de 446 milhões de dólares, tendo procurado ajuda finaceira de 200 milhões de dólares através de outros doadores, com a prioridade de manter abertas as escolas para os refugiados palestianos na Síria.