Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Acordo entre Grécia e Macedónia abre crise governamental em Atenas

Ministro da Defesa grego, Panos Kammenos

OLIVIER HOSLET/EPa

Kammenos, líder do partido Gregos Independentes (ANEL), aliado do Governo de Alexis Tsipras, ameaçou retirar a confiança ao executivo caso o acordo que considera “mau” sobre a república da ex-Jugoslávia prossiga sem o apoio expresso dos cidadãos

O ministro da Defesa grego, Panos Kammenos, disse esta terça-feira que só vai permitir que o acordo de atribuição do nome Macedónia à antiga república da ex-Jugoslávia se concretize através da realização de um referendo ou eleições, na Grécia.

Kammenos, líder do partido Gregos Independentes (ANEL), aliado do Governo de Alexis Tsipras, ameaçou retirar a confiança ao executivo caso o acordo que considera "mau" sobre a república da ex-Jugoslávia prossiga sem o apoio expresso dos cidadãos.

O ministro da Defesa acrescentou que apesar das críticas vai participar na próxima reunião da NATO, em Bruxelas nos dias 11 e 12 de julho, e que vai enviar um convite para que a Macedónia possa aderir à organização sob condição de que venha a cumprir os requisitos acordados.

"Não vai haver adesão à NATO se o referendo não se realizar ou se o acordo não se ratificar no Parlamento grego", sublinhou.

Kammenos insistiu que o acordo "não tem peso nem importância" e que vai fazer tudo o que lhe seja possível para evitar que a lei seja aprovada no Parlamento de Atenas.

A legislação sob o nome Macedónia ainda não é "válida", afirmou recordando que não foi ratificada pelo chefe de Estado grego que também rejeitou o pacto.

Tsipras reuniu na segunda-feira o Conselho de Ministros grego, mas Kammenos não esteve presente.

A ameaça do líder do partido Gregos Independentes está a provocar uma crise política e governamental desde o passado fim-de-semana, altura em que Kammenos ameaçou, pela primeira vez, abandonar o executivo.

Atenas e Skopje alcançaram um acordo sobre o contencioso relacionado com o nome do país dos Balcãs pondo em causa a maioria da coligação governamental grega porque os deputados do partido Gregos Independentes abandonaram o Parlamento sob protesto.

Os chefes de Governo de ambos os países acordaram que a República da ex-Jugoslávia vai passar a chamar-se República da Macedónia do Norte, pondo, eventualmente, fim a um contencioso com mais de 25 anos entre a Grécia, que tem uma província chamada Macedónia, e o Executivo de Skopje.