Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Polícia turca inicia operação para deter quase 70 soldados

ADEM ALTAN/GETTY

As autoridades suspeitam que 68 soldados têm ligações ao movimento liderado pelo clérico Fethullah Gülen, acusado pelo Governo turco de organizar o golpe de Estado falhado de julho de 2016

A polícia turca iniciou esta segunda-feira uma operação para deter 68 soldados supostamente envolvidos na alegada e frustrada tentativa de golpe de Estado de julho de 2016, avançou o jornal "Hürriyet".

As autoridades acreditam que os suspeitos têm ligações ao movimento liderado pelo clérico Fethullah Gülen, acusado por Ancara de organizar o golpe de Estado.

Dos 68 soldados, 19 são oficiais do exército no ativo, enquanto os restantes, coronéis e tenentes-coronéis, foram anteriormente demitidos para serem investigados por alegadas ligações a este golpe.

No domingo, 16 estudantes estrangeiros foram detidos também por alegadamente pertencerem ao movimento de Fethullah Gülen.

O Governo turco, formado pelo partido islâmico AKP, do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, já foi em tempos um aliado político do clérico Fethullah Gülen.

Exilado nos Estados Unidos desde 1999, apesar de manter uma importante rede de apoiantes na Turquia, Gülen tem negado qualquer envolvimento no suposto golpe durante a noite de 15 para 16 de julho de há dois anos.

Desde então, as autoridades turcas desencadearam vastas purgas nas instituições.

Mais de 55 mil pessoas foram detidas e mais de 140 mil despedidas ou suspensas na sequência do estado de emergência instaurado, no dia 20 de julho de 2016.

No dia 25 de junho de 2018, Erdogan, que domina a cena política turca há 15 anos, obteve nas eleições mais do que os 50% de votos necessários para ser eleito à primeira volta para um novo mandato presidencial com poderes reforçados.

Estas eleições foram particularmente importantes porque representam a passagem do sistema parlamentar, desde as mudanças constitucionais adotadas após o referendo de abril de 2017, até agora em vigor, para um regime presidencialista que permite a Erdogan reforçar os seus poderes.