Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

ONG pedem à UE que exija libertação de ativistas de direitos humanos na China

Liu Xia, viúva do ativista Liu Xiaobo

Petar Kudjundzic/Reuters

Carta conjunta de 24 organizações não-governamentais lembra que os líderes da UE “prometeram o seu total apoio a corajosos defensores dos direitos humanos” e cita os casos da viúva do Nobel da Paz Liu Xiaobo, e o livreiro sueco Gui Minhai

Organizações não-governamentais (ONG) apelaram esta quinta-feira aos líderes da União Europeia para que, na cimeira UE-China, exijam que Pequim liberte ativistas pelos direitos humanos, incluindo a viúva do Nobel da Paz Liu Xiaobo, e o livreiro sueco Gui Minhai.

Numa carta conjunta com outras 23 organizações não-governamentais, a Human Rights Watch (HRW) lembra que "os líderes da UE, que prometeram o seu total apoio a corajosos defensores dos direitos humanos, vão visitar Pequim quando se comemora um ano desde a morte de Liu Xiaobo, sob custódia da polícia".

"Esses líderes devem agora respeitar os seus compromissos e exigir a libertação imediata de Liu Xia [viúva de Liu Xiaobo], Gui Minhai e muitos outros", lê-se no comunicado da HRW.

Liu Xia está em prisão domiciliária desde que o marido ganhou o Nobel da Paz, em 2010.

Gui Minhai, de 53 anos, seguia num comboio com dois diplomatas suecos, em 20 de janeiro passado, quando foi detido por polícias chineses, em Pequim.

Era o dono da "Mighty Current", editora de Hong Kong conhecida por publicar livros críticos dos líderes chineses.

O Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, o Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e a Alta Representante para os Negócios Estrangeiros da UE, Federica Mogherini, vão participar da cimeira UE-China, em meados de julho, com altos funcionários chineses.

A HRW reconhece que a UE tem reagido face às medidas repressivas da China contra os direitos humanos, incluindo através de intervenções no Conselho da ONU para os Direitos Humanos e demonstrações de preocupação e apoio a ativistas.

"No entanto, nenhuma das ações da UE produziu a libertação de qualquer ativista na China e a UE ainda não cumpriu com a sua promessa de colocar todo o seu peso na defesa de defensores da liberdade, democracia e direitos humanos", nota a HRW.

A organização lembra que o Governo chinês "sistematicamente nega direitos fundamentais" a minoria étnicas e comunidades religiosas.

"A China exporta cada vez mais as suas práticas abusivas através de instituições internacionais - como investigações criminais politizadas através da Interpol - enquanto tenta travar ativistas independentes de participarem em fóruns sobre os direitos humanos, incluindo na ONU", afirma.