Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

O que diz o acordo entre Trump e Kim

Handout

Os Estados Unidos e a Coreia do Norte comprometem-se a construir uma paz estável e duradoura na Península da Coreia. A desnuclearização completa e o repatriamento de prisioneiros de guerra também constam no documento

Embora ainda não tenha tenha sido comunicada a totalidade dos pontos que compõem o acordo assinado entre Donald Trump e Kim Jong-un, um zoom ao documento permitiu aos jornalistas presentes traçarem quatro pontos chave.

“1. Os Estados Unidos e a DPRK (sigla em inglês para República Popular Democrática da Coreia) comprometem-se a estabelecer uma nova relação de acordo com o desejo das pessoas nos dois países para a paz e prosperidade.

2. Os Estados Unidos e a DPRK vão unir esforços para construir uma paz estável e duradoura na Península da Coreia.

3. Reafirmando a Declaração Panmunjom de 27 de abril de 2018, a DPRK compromete-se a trabalhar para a desnuclearização completa da península coreana.

4. Os Estados Unidos e a DPRK comprometem-se a recuperar os restos mortais dos POW/MIA (prisioneiros de guerra/desaparecidos em ação), incluindo o repatriamento imediato daqueles já identificados."

O acordo assinado prevê ainda uma reunião "o mais breve possível" entre Mike Pompeo, o secretário de Estado norte-americano, e um oficial de alto nível da Coreia do Norte para implementação das medidas que resultaram do encontro em Singapura.

Após a reunião inédita entre os líderes dos EUA e Coreia do Norte, na Singapura, Kim Jong-un dava sinais de esperança num mundo melhor. “Tivemos um encontro histórico e decidimos deixar o passado para trás e assinar um documento histórico. O mundo vai ver uma grande mudança.”

Já Donald Trump, que confirmou que vai convidar o líder norte-coreano para a Casa Branca, disse que ambos vão voltar a encontrar-se “muitas mais vezes”.

Artigo atualizado às 9h04