Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA/Coreia do Norte: Paris saúda acordo “significativo” mas com cautelas

ERIC FEFERBERG // Getty Images

Um “passo significativo” é como a ministra francesa dos Assuntos Europeus considera o encontro entre Trump e Kim Jong-un. Apesar de apoiar a cimeira, tem dúvidas sobre a rapidez com que se chegou a uma conclusão

A ministra francesa dos Assuntos Europeus, Nathalie Loiseau, considerou esta terça-feira que foi dado um "passo significativo" com o documento assinado por Donald Trump e Kim Jong-un, mas afirmou duvidar que se "tenha alcançado tudo nas últimas horas".

"Duvido que tudo tenha sido alcançado em poucas horas, mas é um passo significativo", declarou ao canal de televisão LCP, referindo-se à cimeira que começou pouco depois das 9h de terça-feira (2h em Lisboa), num hotel em Singapura, e que resulta de uma frenética atividade diplomática em Washington, Singapura, Pyongyang e na fronteira entre as duas Coreias.

"Esta reunião é em si significativa, mas ainda não sabemos nada do documento que foi assinado. Será analisado quando for divulgado", indicou.

A responsável sublinhou estar à espera do início da negociação sobre a desnuclearização da península coreana.

O documento assinado esta terça-feira entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos refere a recuperação dos restos mortais de prisioneiros de guerra e o estabelecimento de novas relações entre os dois países no sentido "da paz e da prosperidade".

Segundo a Associated Press, o texto refere a troca de restos mortais de prisioneiros e informações sobre soldados desaparecidos em combate durante a Guerra da Coreia (1950-1953).

Os corpos de mais de 7800 militares norte-americanos continuam por localizar desde o final da guerra na península.

No texto conjunto, o líder norte-coreano reafirma o compromisso de "desnuclearização completa da Península da Coreia".

De acordo com a agência noticiosa France Presse, o texto não menciona a exigência norte-americana de "desnuclearização completa e irreversível" - a fórmula que significa o abandono completo do armamento e a aceitação de missões de inspeção -, mas reafirma a formulação mais vaga mencionada no compromisso anterior, sem adiantar um calendário.

Este foi o primeiro encontro entre os líderes dos dois países depois de quase 70 anos de confrontos políticos no seguimento da Guerra da Coreia e de 25 anos de tensão sobre o programa nuclear de Pyongyang.

Este encontro histórico ocorreu depois de, em 2017, as tensões terem atingido níveis inéditos desde o fim da Guerra da Coreia, face aos sucessivos testes nucleares de Pyongyang e à retórica beligerante de Washington.