Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA/Coreia do Norte: China fala de nova “história” e lembra o seu contributo para a paz

China apoia relacionamento entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos da América, admitindo ter esperado por este momento

A China considerou esta terça-feira que os Estados Unidos e a Coreia do Norte estão a "criar uma nova história", depois da cimeira de Singapura, e lembrou o seu contributo para a pacificação da península.

"A China apoia, porque é aquilo que temos esperado", afirmou o porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Geng Shuang.

Os líderes dos EUA e Coreia do Norte, Donald Trump e Kim Jong-un, respetivamente, assinaram esta terça-feira uma declaração conjunta, na qual Pyongyang se compromete a trabalhar no sentido de uma completa desnuclearização e Washington a proporcionar ao país "garantias de segurança".

Geng lembrou o contributo da China para a resolução da questão norte-coreana, nomeadamente a proposta de "dupla suspensão": o fim das manobras militares dos EUA e da Coreia do Sul na península coreana e, ao mesmo tempo, a paragem dos testes com armamento nuclear por parte da Coreia do Norte.

"A proposta de suspensão por suspensão é a correta e foi concretizada", afirmou Geng, lembrando que Pequim "tem vindo a apelar aos dois lados para que mantenham o diálogo diplomático".

O porta-voz lembrou ainda a importância de os EUA "levarem seriamente e atenderem as preocupações com a segurança da Coreia do Norte".

"A outra parte deve também tomar medidas construtivas", afirmou.

A cimeira histórica entre o Presidente dos Estados Unidos e o líder da Coreia do Norte realizou-se esta terça-feria, em Singapura, e começou com um simbólico aperto de mão entre Donald Trump e Kim Jong-un.

Este foi o primeiro encontro entre os líderes dos dois países depois de quase 70 anos de confrontos políticos no seguimento da Guerra da Coreia e de 25 anos de tensão sobre o programa nuclear de Pyongyang.

Esta reunião ocorre depois de, em 2017, as tensões terem atingido níveis inéditos desde o fim da Guerra da Coreia (1950-53), face aos sucessivos testes nucleares de Pyongyang e à retórica beligerante de Washington.

A cimeira começou pouco depois das 09:00 de terça-feira (02:00 em Lisboa), num hotel em Singapura, após uma frenética atividade diplomática em Washington, Singapura, Pyongyang e na fronteira entre as duas Coreias, em que houve anúncios, ameaças, cancelamentos e retratações surpreendentes

A China é o principal aliado diplomático da Coreia do Norte.

Em março passado, Kim Jong-un visitou Pequim e encontrou-se com o Presidente chinês, Xi Jinping, na sua primeira visita ao estrangeiro desde que assumiu a liderança da Coreia do Norte, há mais de seis anos.

Menos de dois meses depois, Kim voltou a reunir-se com Xi, na cidade chinesa portuária de Dalian, no nordeste do país, numa cimeira surpresa.