Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Kardashian nega ter sido usada por Trump no caso do perdão presidencial a mulher condenada

Slaven Vlasic/Getty

Refutando as críticas que lhe foram lançadas, a modelo não considera ter sido “um peão usado pela Casa Branca”, a propósito do caso de Alice Marie Johnson. Condenada a prisão perpétua, a mulher obteve a liberdade após Kardashian ter intercedido por ela junto de Trump

Kim Kardashian negou esta quinta-feira estar a ser usada como peão da Casa Branca, crítica que lhe foi lançada após ter intercedido junto de Donald Trump a favor de uma bisavó, condenada a prisão perpétua, e a quem o Presidente norte-americano concedeu a liberdade. "Eu acho que Kanye [West] já lhe deu legitimidade nesse sentido”, afirmou a ‘socialite’ numa entrevista à CNN, referindo-se ao apoio público manifestado a pelo seu marido a Trump.

O caso de Alice Marie Johnson, condenada por um delito de drogas não violento, era algo em que disse estar a trabalhar há já algum tempo. “Não acho que tenha sido usada. No fim das contas o Presidente ouviu-me e o objetivo foi alcançado. Usar-me-ia para quê?”, acrescentou.

Trump e Kardashian encontraram-se na semana passada, na Casa Branca, para falar sobre a reforma das prisões e as sentenças aplicadas aos reclusos. Foi nessa ocasião que a modelo expôs a situação da mulher, atualmente com 63 anos, e apelou à sensibilidade do Presidente.

Sobre Alice Marie Johnson, contou ter chorado muito quando lhe ligou para dar a notícia do perdão presidencial: “Choramos ambas ao telefone, talvez durante uns três minutos”.