Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

República Centro Africana. Forças Armadas portuguesas repudiam acusações de prática de “crimes contra a humanidade”

Foto DR

Referindo os confrontos recentes ocorridos no território, o Estado-Maior-General das Forças Armadas nega “toda e qualquer alegação de prática de crimes, de comportamento parcial ou discriminatório ou conduta inadequada por parte do contingente nacional” e esclarece que “o recurso às armas apenas ocorre em situações limite”

Numa reação às notícias desta quarta-feira que dão conta que os militares portugueses estão a ser acusados de “crimes contra a humanidade” na República Centro Africana, o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA) repudia “toda e qualquer alegação de prática de crimes, de comportamento parcial ou discriminatório ou conduta inadequada por parte do contingente nacional” no território e reafirma que os militares portugueses “pautam a sua conduta pelos mais elevados padrões de profissionalismo e no escrupuloso cumprimento do mandato das Nações Unidas e do direito internacional e nacional aplicável”.

Em comunicado, o EMGFA esclarece que “o recurso às armas apenas ocorre em situações limite” em que os militares “se encontram debaixo de fogo”, fazendo menção aos incidentes ocorridos no dia 30 de maio. A mesma nota afirma que a Força de Reação Rápida portuguesa se deparou “com uma situação de confronto entre elementos armados e contra a população a qual veio a obrigar ao uso da força para fazer cessar as agressões e proteger os civis”, bem como “para garantir a segurança dos elementos nacionais e a missão da ONU em geral”.

Segundo o “Observador”, os militares portugueses em missão na República Centro Africana estão a ser fortemente contestados por “alguns setores da população”, tendo várias centenas de pessoas saído à rua esta semana, em Bambari, no norte do país, para denunciar “crimes contra a humanidade” alegadamente cometidos pelas forças portuguesas e do Ruanda.

Diz ainda o jornal que os militares portugueses foram alvo de emboscadas e de ataques por parte de diferentes grupos armados que tentam controlar o território.

O EMGFA sublinha que as ações das tropas portuguesas se têm sempre caracterizado “por uma atitude de total imparcialidade e sem qualquer tipo de discriminação”, tendo inclusivamente “sido recentemente, mais de uma vez, publicamente reconhecidas e elogiadas nomeadamente pela ONU”.

Quanto à situação no território, as Forças Armadas lembram que tanto as autoridades locais, como as Nações Unidas e ONG que se encontram no país, reconhecem que os membros dos grupos armados “quando não conseguem exercer o domínio sobre as populações locais pela força das armas, recorrem à instrumentalização da comunicação utilizando os sistemas de informação e propaganda, em especial com recurso às redes sociais, para incitar as manifestações locais e a disseminação amiúde de mensagens de ódio contra as forças militares de capacetes azuis no terreno”.

O comunicado acrescenta que Portugal participa na MINUSCA (a missão das Nações Unidas no país) desde o início de 2017, com uma companhia de infantaria a operar a partir de Bangui, que tem a missão de Força de Reação Rápida.