Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Canadá prepara-se para legalizar canábis

GETTY

A venda de marijuana para fins recreativos deverá ser autorizada no país a partir do final de agosto

O Senado canadiano começa a votar esta quinta-feira a legislação que abre portas à legalização da canábis. A proposta seguirá depois para a Câmara dos Comuns, que também introduzirá alterações, com vista a que a lei seja aprovada até ao final do mês, antes das férias de verão.

Durante os últimos seis meses, o Senado canadiano esteve a estudar a proposta que começa ser votada hoje. Caso a lei obtenha luz verde, o Canadá tornar-se-á a partir do final de agosto no primeiro país do G20 que autoriza o uso de canábis para fins recreativos.

“Aprendemos muito com os erros do passado em alguns estados norte-americanos. Sabemos que temos um desafio nacional com a legalização da canábis, uma vez que o nosso país regista um dos mais elevados consumos desta droga no mundo”, declarou o senador canadiano independente Toby Dean, uma das vozes da favor da alteração legislativa.

A legislação prevê que cada consumidor passe a poder adquirir quantidades limitadas de canábis e de produtos derivados e que cada pessoa possa cultivar até um máximo de quatro plantas.

O negócio da marijuana deverá gerar mais de 8,8 mil milhões de euros: 4,9 mil milhões na venda para fins recreativos e 1,9 mil milhões na utilização para fins medicinais, de acordo com um estudo da Deloitte, citado pelo “Independent”.

A legalização da canábis constituiu uma das promessas do primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, (Partido Liberal), durante a sua campanha em 2015. Cerca de um terço dos jovens canadianos admitem consumir erva.

Desde 2001, que o uso de canábis para fins medicinais é legal no Canadá, em linha com outros países. Neste momento, os maiores de 18 anos podem comprar apenas 30 gramas de erva e quando excederem essa quantidade arriscam-se a cinco anos de prisão.