Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tusk sobre Trump: “Com amigos assim, quem é que precisa de inimigos?”

THIERRY CHARLIER/AFP/Getty Images

Em declarações aos jornalistas na véspera de um jantar entre os líderes europeus, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, deixou um aviso sobre os “caprichos” da atual administração americana

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

“Com amigos assim, quem é que precisa de inimigos?”, questionou esta terça-feira Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, referindo-se a Donald Trump.

Tusk, que falava aos jornalistas antes de um jantar entre os líderes europeus em Sófia, na Bulgária, que servirá para harmonizar uma resposta, quer à saída dos EUA do acordo nuclear com o Irão quer ao anúncio de imposição de taxas sobre as importações de aço e alumínio, deixou um aviso sobre os “caprichos” da atual administração americana. “Olhando para as recentes decisões de Trump, bem que podemos questionar-nos: Com amigos assim, quem é que precisa de inimigos?”, atirou.

Reiterando a posição da França, Alemanha e Reino Unido (três dos seis países que assinaram o acordo com o Irão, em 2015), Tusk garantiu que a União Europeia (UE) irá manter o seu compromisso desde que o Irão cumpra com as suas responsabilidades.

O presidente do Conselho Europeu afirmou ainda que a UE está empenhada em encontrar mecanismos que protejam as empresas europeias que pretendem continuar a fazer negócios com o Irão e que, com a saída de Washington do acordo, estão mais vulneráveis a possíveis sanções. “Quero que seja dada luz verde à Comissão Europeia para que possa agir sempre que estão em causa os interesses europeus”, acrescentou.

O “Financial Times” dá como provável que da reunião entre os líderes europeus desta quarta-feira saia um reforço do pedido de isenção das taxas alfandegárias às importações de aço e alumínio, a troco do regresso às negociações sobre a liberalização do comércio entre Europa e EUA. “É um absurdo pensar que a União Europeia poderia representar uma ameaça para os Estados Unidos”, afirmou Donald Tusk.