Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Desmantelamento total do programa nuclear abre porta a prosperidade económica na Coreia do Norte, diz Mike Pompeo

The White House

O secretário de Estado dos EUA acenou com o levantamento das sanções, criando-se assim condições para uma economia emergente capaz de rivalizar com a Coreia do Sul. No fim de semana, Pyongyang informou que o desmantelamento do seu complexo nuclear está agendado para o final deste mês

Mike Pompeo disse este domingo que Washington levantaria as sanções à Coreia do Norte se o país concordasse em desmantelar completamente o seu programa de armas nucleares. Em várias entrevistas televisivas, o governante deixou claro que os Estados Unidos não estariam dispostos a investir dinheiro dos contribuintes para ajudar o país mas a “suspender as sanções”, o que criaria “condições para uma verdadeira prosperidade económica para o povo norte-coreano que rivalizaria com a do Sul”.

O levantamento das sanções abriria caminho ao investimento privado norte-americano nos setores da energia, agricultura e infraestruturas na Coreia do Norte. “O que o Presidente Kim [Jong-un, líder norte-coreano] receberá da América é o nosso melhor – os nossos empreendedores, os nossos investidores de risco... Eles terão capital privado a entrar. A Coreia do Norte precisa desesperadamente de energia para o seu povo. Eles precisam muito de equipamento agrícola e de tecnologia”, disse Pompeo à estação CBS.

No fim de semana, a agência estatal norte-coreana informou que o país tinha o desmantelamento do seu complexo nuclear agendado para o final de maio. O Secretário de Estado norte-americano congratulou-se com a notícia. “Qualquer local que os norte-coreanos têm, capaz de infligir risco ao povo americano, e que é destruído, eliminado, desmantelado é uma boa notícia para o povo americano e para o mundo”, disse ao canal de televisão Fox News.

Donald Trump e o líder norte-coreano têm uma reunião marcada para 12 de junho em Singapura, o primeiro encontro entre um Presidente dos EUA em funções e um líder norte-coreano. Ainda no domingo, o Pentágono anunciou que os três prisioneiros americanos libertados na semana passada pela Coreia do Norte deixaram o Centro Médico Militar Nacional de Walter Reed, em Washington, e já se reuniram com as famílias.

  • Trump em rota de colisão

    Obcecado em desmantelar o legado de Obama e em mudar o regime em Teerão, o atual Presidente dos EUA deixou o Médio Oriente à beira de nova guerra, ao repudiar o acordo nuclear com o Irão. Enfraqueceu também a aliança transatlântica, ao abandonar mais um compromisso internacional, ameaçando empresas europeias com sanções

  • Mike Pompeo está um passo à frente de Trump

    Foi mais ácido que Trump em vários momentos da sua carreira política, mas mudou a partir do momento em que se aliou ao Presidente norte-americano. Já não defende as técnicas de tortura que foram prata da casa na CIA durante anos e já não faz comentários xenófobos e islamofóbicos, mas continua a desprezar o Irão e a Rússia e qualquer país que se atravesse no caminho dos interesses dos Estados Unidos