Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Segredos do ilusionista David Copperfield revelados em tribunal

Jim Spellman / Getty

Aconteceu durante um processo interposto por um homem que participou numa ilusão e se terá magoado

Luís M. Faria

Jornalista

O ilusionista David Copperfield acaba de sofrer aquilo que os membros da sua profissão mais temem: ver segredos de truques seus revelados em público. Aconteceu durante um julgamento que começou no final da semana passada, e no qual um cozinheiro inglês, Gavin Cox, pede uma indemnização por, alegadamente, se ter aleijado ao participar num dos truques de Copperfield.

O caso tem origem em novembro de 2013, no Casino MGM, em Las Vegas. Durante a ilusão chamada Lucky#13, 13 membros da audiência são convidados a participar através de balões que são lançados para a plateia. Quem tiver um na mão quando a música parar é escolhido. Assim aconteceu com Cox, que se encontrava de férias na cidade. Juntamente com os outros participantes, entrou numa 'gaiola' que foi então erguida e coberta com uma cortina. Retirada a cortina, as pessoas tinham desaparecido. Reapareceram depois no fundo da sala.

O truque envolve atravessar por corredores secretos que vão dar ao exterior do edifício, onde depois se reentra. Cox diz que foi já no regresso que caiu. Alega ter sofrido um deslocamento de ombro com dores crónicas, e também lesões no cérebro que lhe dificultam o funcionamento no dia a dia. Acusa Copperfield e a produção de efetuarem o truque em condições inseguras, e pede uma indemnização para já indefinida, mas certamente não inferior aos 400 mil dólares (323 mil euros) que terá gasto em tratamentos.

Juiz recusou audiência à porta fechada

Os advogados de Copperfield respondem que 55 mil pessoas participaram anteriormente no truque sem qualquer problema. Cox simplesmente terá tropeçado, dizem. Embora tivessem pedido que essa parte da audiência se realizasse à porta fechada, para evitar a divulgação do truque, o tribunal entendeu que este já era conhecido pelos milhares de pessoas que nelam participaram e indeferiu o pedido.

"O que não é uma ilusão é que no final as provas mostrarão que nem David Copperfield nem a David Copperfield Inc. foram a causa de Cox cair naquela noite", disse um advogado do ilusionista. A primeira testemunha de defesa, um amigo e produtor de Copperfield, confirmou essa versão dos factos.

Com uma longa carreira de sucessos e uma fortuna estimada em mais de 61,5 milhões de dólares (50 milhões de euros), Copperfied é um alvo tentador. Resta saber se expõe realmente participantes nos seus truques a situações que são, como diz o advogado de Cox, "acidentes à espera de acontecer".