Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Jogos de guerra no Mar do Sul da China

Uma fragata lança fogo durante um exercício perto de Suao, na parte leste da Formosa

SAM YEH / AFP / Getty Images

Xi Jinping usa manobras militares para demonstrar o poder da China e fazer recuar as pretensões independentistas da Formosa

Cristina Peres

Cristina Peres

Jornalista de Internacional

Os disparos que forem ouvidos esta quarta-feira nos exercícios nas águas ao largo da província de Fujian serão direcionados à Formosa. Pelo menos metaforicamente, lê-se no “Espresso”, o diário digital da revista “The Economist”. Há cinco dias, o “Taiwan News” escrevia: “Apesar da fanfarronice e da bravata, os exercícios de fogo real da China que deveriam ter acontecido no Estreito da Formosa aconteceram numa área pequena ao largo da costa da província de Fujian”.

O anúncio feito no dia 12 pelo ministro da Defesa Nacional da China de que seriam levados a cabo exercícios com fogo real no Estreito da Formosa disparou os alarmes na ilha e em vários países ocidentais. Parecia confirmar uma escalada da atitude agressiva do Presidente Xi Jinping contra a independência da Formosa bem como outras disputas no Mar do Sul da China.

O mesmo jornal acrescenta que, apesar dos receios de que o fogo real tivesse lugar demasiado próximo da Formosa “tal como aconteceu em 1996 perto de Keelung e Kaoshiung, numa tentativa de intimidar os eleitores”, os presentes exercícios acontecem “muito mais perto da China”.

O Presidente chinês quer enviar uma mensagem firme aos defensores da independência da Formosa Parlamento, defende o “Espresso”, em particular ao primeiro-ministro Lai Ching-te, que se descreve como “trabalhador para aindependência”.

Os exercícios coincidem com a visita de quatro dias do Presidente da Formosa, Tsai Ing-wen, à Swazilândia, um dos países que dá reconhecimento diplomático à ilha.

Os jogos de guerra foram apresentados na semana passada durante uma demonstração de poder naval no Mar do Sul da China.