Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Arábia Saudita em conversações com EUA sobre envio de tropas para a Síria

Adel al-Jubeir, ministro saudita dos Negócios Estrangeiros

GIUSEPPE CACACE/AFP/Getty Images

O anúncio foi feito pelo ministro saudita dos Negócios Estrangeiros numa altura em que Trump procura estabilizar o nordeste sírio e simultaneamente reduzir a presença militar americana no país. Contudo, o grau de compromisso da Arábia Saudita ao nível do envio de tropas continua por esclarecer, dificultando ainda mais a perspetiva de constituição de uma força pan-árabe de estabilização da Síria

A Arábia Saudita disse esta terça-feira que está em conversações com os Estados Unidos sobre o envio de tropas para a Síria. O anúncio, feito pelo ministro saudita dos Negócios Estrangeiros, Adel al-Jubeir, acontece numa altura em que o Presidente dos EUA, Donald Trump, procura estabilizar o nordeste sírio e simultaneamente reduzir a presença militar americana no país.

Em conferência de imprensa na capital Riade, o governante saudita disse que as deliberações sobre que tipo de força deve permanecer naquela zona da Síria e de onde virá essa força estão “em andamento”. “Estamos em conversações com os EUA – como sempre estivemos desde o início da crise síria – sobre o envio de tropas”, afirmou al-Jubeir, acrescentando que a mesma oferta foi feita à Administração Obama mas que, no final, acabou por ser recusada.

Trump tenta persuadir os países do Golfo Pérsico a retomarem os encargos financeiros e militares de estabilização, ao mesmo tempo que tenta reduzir as forças americanas no terreno. Na segunda-feira, a Casa Branca reiterou que pretende promover uma saída antecipada da Síria depois de o Presidente francês, Emmanuel Macron, ter sugerido que as tropas dos EUA poderiam permanecer no longo prazo. No entanto, a Administração Trump também manifestou a sua vontade de conter o Irão e de continuar a derrotar os militantes do autoproclamado Estado Islâmico.

Em relação às finanças, a Arábia Saudita “sempre manteve a sua parte dos encargos”, assegurou o ministro dos Negócios Estrangeiros. Continua por esclarecer o grau de compromisso do país ao nível do envio de tropas, dificultando ainda mais a perspetiva de constituição de uma força pan-árabe de estabilização da Síria. A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos já têm tropas envolvidas na sangrenta guerra civil no Iémen.

Comentários recentes do governante e do príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, também sugerem uma mudança de posição da Arábia Saudita em relação à Síria, no sentido da aceitação de que o Presidente sírio, Bashar al-Assad, não será afastado do poder em breve.

Entretanto, o Egito já expressou o seu apoio tácito a Assad na guerra, levantando dúvidas sobre a sua predisposição em enviar tropas para áreas que escapam ao controlo do regime de Damasco. O Presidente Abdel Fatah al-Sissi tem sido relutante em enviar tropas para o exterior, tendo mesmo recusado um pedido da Arábia Saudita no esforço de guerra liderado pelos sauditas no Iémen – e isto apesar de o reino saudita ser um aliado próximo e um dos maiores parceiros financeiros do Egito.