Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Síria anuncia chegada dos peritos internacionais a Douma

ALI HASHISHO/ Reuters

Os Estados Unidos e França acusaram a Síria de colocar entraves à investigação dos peritos da Organização para a Prevenção das Armas Químicas

A televisão e a agência estatais sírias anunciaram esta terça-feira que os peritos da Organização para a Prevenção das Armas Químicas (OPAQ) chegaram a Douma, cidade alvo de um alegado ataque químico das forças do regime a 7 de abril.
"Peritos da comissão de armas químicas entram em Douma", anunciou a agência Sana.

Os Estados Unidos e França acusaram a Síria de colocar entraves à investigação dos peritos da OPAQ, cuja chegada a Douma esteve inicialmente prevista para sábado, depois para domingo e, esta terça-feira de manhã, adiada para quarta-feira.

Sírios e russos justificaram os adiamentos com "problemas de segurança".

Na segunda-feira, Washington admitiu que as forças russas, que controlam completamente Douma e toda a região de Ghouta Oriental desde a semana passada, podem ter "visitado e alterado" o local do ataque e Paris admitiu esta terça-feira como "muito provável" que "provas e elementos essenciais desapareçam" antes da chegada dos peritos internacionais.

O ataque a Douma, no qual morreram pelo menos 40 pessoas e mais de 500 foram afetadas, esteve na origem dos ataques lançados na madrugada de sábado por aviões de combate dos EUA, França e Reino Unido contra três alvos associados à produção e armazenamento de armas químicas na Síria.

A oposição síria e vários países acusam o regime de Bashar al-Assad da autoria do ataque químico, mas Damasco nega e o seu principal aliado, a Rússia, afirma que ele foi encenado com a ajuda de serviços especiais estrangeiros.

  • Rússia dá luz verde a inspetores de armas químicas na Síria

    Técnicos da Organização para a Proibição de Armas Químicas só terão acesso a Douma 11 dias depois do alegado ataque químico que matou dezenas de civis. Chefe da diplomacia de Moscovo assegura que “a Rússia não adulterou o local” e devolve acusações aos EUA, Reino Unido e França, que conduziram os ataques de retaliação