Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Peritos mantêm missão para investigar ataque químico

Bart Maat

A Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) vai manter o inquérito ao alegado ataque de armas químicas, com início previsto para hoje, apesar do ataque conjunto desta madrugada dos EUA, França e Reino Unido contra a Síria

A Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) vai manter o inquérito ao alegado ataque de armas químicas, com início previsto para hoje, apesar do ataque conjunto desta madrugada dos EUA, França e Reino Unido contra a Síria.
Esta informação foi prestada pela Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) em comunicado, em que acrescentou que a sua intervenção visa perceber "os factos relativos às alegações de uso de armas químicas a [cidade de] Douma".
Peritos da OPAQ têm previsto iniciar hoje uma investigação sobre o alegado ataque com armas químicas contra a cidade rebelde de Douma, em Ghouta Oriental, que a 07 de abril (no passado sábado) provocou mais de 40 mortos e 500 feridos.
A missão recebeu um convite do Governo sírio, sob pressão da comunidade internacional, que nega a autoria do ataque.
Os Estados Unidos, a França e o Reino Unido realizaram hoje uma série de ataques com mísseis contra alvos associados à produção de armamento químico na Síria, em resposta a um alegado ataque com armas químicas na cidade de Douma, Ghuta Oriental, por parte do Governo de Bashar al-Assad.